A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

24/01/2012 21:28

Meu filho morreu por negligência médica, diz pai de rapaz picado por cobra

Viviane Oliveira

O laudo do IMOL comprova que Márcio picado por uma cobra cascavel no dia 5 de novembro, recebeu tarde demais o soro antiofídico

Agora com o laudo em mãos o pai tem certeza que houve negligência médica. (Foto: Marlon Ganassin)Agora com o laudo em mãos o pai tem certeza que houve negligência médica. (Foto: Marlon Ganassin)

“Meu filho morreu por negligência médica”. O desabafo é de Milton Paulo de Souza, 49 anos, que viu o filho morrer, em novembro, e hoje tem em mãos a confirmação da desconfiança da família. O laudo do IMOL (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) comprova que Márcio Paulo de Souza, de 27 anos, picado por uma cobra cascavel no dia 5, recebeu tarde demais o soro antiofídico.

Márcio morreu no Hospital Regional, um dia após ser picado por uma cascavel por volta das 17 horas do dia 5 de novembro, quando tomava banho na cachoeira da Antena no bairro Vila Nasser, em Campo Grande.

O rapaz recebeu o soro 11 horas após ter sido levado pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Vila Almeida. No laudo do Instituto consta que ele deu entrada no posto de saúde às 19h30 do dia 5 e às 23h50 foi encaminhado para o Hospital Regional. Somente no outro dia (6), às 11h30, recebeu o soro antiofídico.

Uma hora depois foi atestada a morte de Márcio. “Desde o primeiro momento o meu filho falava que ele tinha sido picado por uma cobra cascavel, mas ninguém acreditava pelo fato dele ser usuário de drogas”, lamenta o pai. Para ele, foi descaso dos profissionais de saúde.

O documento do IMOL confirma que o paciente confessou ter usado pasta base de cocaína quando estava na cachoeira em que foi picado pela cobra. “Mesmo que ele fosse usuário de drogas, bêbado ou o que for, é um ser humano e precisava de atenção por parte dos médicos”, disse a mãe Maria de Lurdes de Souza, de 46 anos.

Por conta da declaração do rapaz e da ausência de marcas de picada de cobra, os médicos acharam que ele estava com alucinações. “Márcio sentia muita dor e falava o tempo todo que havia sido picado no tornozelo”, destaca a mãe.

O coordenador do Civitox (Centro de Vigilância Toxicológica), Sandro Benites, explica que Márcio foi picado por uma cascavel extremamente venenosa. De acordo com ele, a identificação do quadro é mais difícil, já que a picada é praticamente impossível de ser encontrada no corpo da vítima.

Mãe chora ao relembrar sofrimento do filho e afirma que ninguém sabe a dor que eles estão sentindo. (Foto: Marlon Ganassin)Mãe chora ao relembrar sofrimento do filho e afirma que ninguém sabe a dor que eles estão sentindo. (Foto: Marlon Ganassin)

“Eles queriam achar a picada da cobra no meu filho, como não encontraram acharam que ele estava mentindo”, afirma Maria de Lurdes.

Além disso, o ataque desta serpente deixa a vítima com sinais de estado de embriaguez. “Queda das pálpebras, visão turva, dor muscular e dificuldade respiratória são alguns dos sintomas”, disse o coordenador do Civitox.

Segundo Sandro, de dez ataques de serpente, nove são de jararaca e são raros os de cascavel, a segunda cobra mais venenosa, atrás apenas da espécie coral verdadeira. Vítimas de picadas de jararaca apresentam sinais opostos ao da cascavel, como edemas, sangramento e dor no local do ataque.

Em qualquer um dos casos, a medicação com o soro em menor tempo possível é determinante para que a vítima sobreviva. Márcio Paulo, informa o laudo, teve duas paradas cardiorrespiratória e os médicos tentaram reanimá-lo durante 40 minutos.

De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital Regional, após sair o laudo do IMOL foi aberta uma sindicância para apurar se houve negligência médica. A diretoria do hospital informou que só vai se manifestar após a conclusão da analise que pode durar de 30 a 60 dias.

Hospital abre sindicância para apurar morte de rapaz picado por cascavel
O Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande, abriu sindicância para apurar se houve falha no atendimento a Márcio Paulo de Sousa, de 27 anos...
Pai de jovem morto por picada de cobra diz que filho chegou ao HR 6 horas depois
Milton Paulo de Souza, pai de Márcio Paulo de Souza, de 27 anos, morto após ser picado por uma cobra, afirmou que o filho levou cerca de seis horas p...
Após ser picado por cobra na Vila Nasser, homem morre no HR
Márcio Paulo de Souza, 27 anos, morreu neste domingo, por volta das 12 horas, após ser picado por uma cobra ontem, por volta das 17 horas.Ele teria s...


eu numca vi estes momentos tao trajeis
 
priscila susa em 21/01/2013 19:05:39
é muito triste ser discriminado ate nos hospitasi! sou solidária a familia!
 
daniela dias em 25/01/2012 12:55:52
Eu não tinha sido picada por cobra mas em julho chequei no vila almeida com muita dor de cabeça e presão alta passei pela triagem foi constada presão alterada entrei as 17,30 sabe que hora fui atendida as 21 assim pq perquntei pro enfermeiro se o medico havia passado a medicação pensa se tivese acontecido o mesmo eu teria morrido tbém pq as pessoas chegam la e fica amerse.
 
vera lucia rodrigues aguero em 25/01/2012 12:22:07
Os erros médicos viraram rotina, principalmente em hospitais públicos! Justiça neles!!!
 
Basilho Gonçãlves em 25/01/2012 11:47:13
No juramento, o médico prometeu defender, lutar e salvar vidas e, não, advinhar se as pessoas mentem ou dizem a verdade!
 
Marco Antonio em 25/01/2012 11:45:51
Procurem um advogado! vcs tem um instrumento probatório em mãos! Justiça já!
 
Marcio Romeu em 25/01/2012 11:23:54
Por que não te calas , Pedro Henrique?cuidado pois algum dia , um filho seu, se o tiver, poderá ser um drogado marginal, como vc se referiu ao jovem.Vc talvez nem tenha pais, pois seu comentário faz mais triste ainda essa familia.Se eu fosse seu conhecido, te dava uma surra bem dada, pois vejo que faltou isso na sua educação
 
Antonio Quebrado em 25/01/2012 11:13:58
Nenhum médico é competente para penalizar alguém, muito menos se for usuário de drogas. O dever desse profissional é de salvar vidas e não julgar se as condutas oriundas de um viciado em tóxico são ou não verdadeiras.
Familiares, procurem um advogado! Lutem pelos seus direitos! Já que a vida do rapaz não vai voltar.
Que Deus conforte os corações de vocês...
 
Rodolfo Nantes em 25/01/2012 11:11:52
Sr. Pedro Henrique...
Quem fala o que quer escuta o que não quer... alias quem escreve o que quer acaba lendo o que não quer...
É bom pensar antes de escrever ese tipo de asneira.
 
Carlos Eduardo em 25/01/2012 10:47:17
Esse tal de Pedro Henrique é desprezível,, assim como a equipe médica que "atendeu" o rapaz...
 
Marcos Matos em 25/01/2012 10:07:13
Sr Pedro Henrique, o homem inteligente e temente a Deus, não pensa e não abre a boca para falar asneiras, V.Sª não deve ter familiares,amigos,deve ser sozinho neste mundo,pois independente do jovem, picado pela cobra, ser ou nao usuário, ele teria o direito, igual todos temos, ao atendimento.O mesmo não estava praticando nenhum ato criminoso, para ser tratado como tal...continue pensando assim.
 
WILSON FERREIRA em 25/01/2012 09:55:21
Drogado ou não ele é um ser humano, e o sofrimento da familia? Tem algumas pessoas que não tem coração nem sentimentos.
 
Ana Carolina em 25/01/2012 09:50:48
Meu caro, Pedro Henrique!

Acredito que você foi infeliz no seu comentário, pois citação ofende a fami´lia do jovem em questão.

Acredito que o fato do jovem usar drogas não deveria influenciar nas ações dos profissionais de saúde, uma vez que eles, estão ali para prestar o SOCORRO e não para julgar os pacientes.

Fica o recado.
 
Gilson Roa em 25/01/2012 09:36:05
Cara, quem esse Pedro Henrique acha que é? Não sou drogado, não fumo, não bebo, tenho um filho ainda pequeno, mas quem me deu o direito de dizer não a pessoas que necessitam de ajuda?
Se o Rapaz era Drogado, isso exime a responsabilidade médica? Se seu pai fosse um traficante, e um outro o matasse, vc diria o mesmo: tinha q morrer mesmo? Tenho pena de você!
 
Walter Kano - @walterkano em 25/01/2012 09:34:21
Nossa cadê os direitos humanos? Como um hospital uma equipe médica não sabe analisar os sintomas e outra acho que por mais que ele tivesse consumido drogas o efeito não duraria tantas horas assim, como não deram atençao ao que o rapaz dizia? Isto é inadimissivel!!!! Cadê os direitos humanos?Isto é uma vergonha!!!!!
 
DANIELA OSTEMBERG em 25/01/2012 08:59:14
É PARA O GOVERNADOR SABER, O ROSA PEDROSSIAN, DIA 15.01.12, VISITEI UM PACIENTE, ESTAVA BEM TRATADO, MAS VÍ UMA COISA IMPRESSIONANTE RELACIONADO A HIGIENE, QUANDO OS CESTOS DE LIXOS, ESTAVA TOTALMENTE EM CESTOS DESCOBERTOS, COM SACOLINHA PLÁSTICAS RUDIMENTARES, SEM TAMPAS, E OS PACIENTE TOMANDO MEDICAMENTOS E ALIMENTAÇÃO A DISPOSIÇÃO DAS BACTÉRIAS INCLUSIVE DE RESTOS HOSPITALARES, CORRIJAM ISTO.
 
PEDRO BRAGA em 25/01/2012 08:57:47
é sempre assim vida se vai nada acontece ,,, ninguem quer manifestar ,,, nada muda na historia desse Brasil ,,, q nao pode é familias continuar chorando sofrendo pelo seus entes queridos q se vao,,, enquanto não tem punição justica cada dia mais uma vitima se vai acorda brasill vamos parar com tanta impunidade
 
rosilene leonel em 25/01/2012 04:38:58
Garanto que se ele nao fosse usuario de droga, facilitaria certamente o diagnostico dos medicos e assim provavelmente estaria vivo agora. Mesmo que os sintomas apresentados se confundiam com o efeito da droga assim sugiro aos medicos usarem também bola de cristal em algumas situações, facilita!
 
Adriano Lima em 25/01/2012 03:41:55
Isso retrata, nada mais e nada menos, a situação da saúde pública em Campo Grande. Profissionais descompromissados são frequentemente encontrados nos postos de saúde. A prova está aí, mais uma perda lamentável. Aconselho ao Sr. Milton a ir em frente, entre na justiça. Sabemos que isso não vai trazer o seu filho de volta, mas pelo menos poderá evitar que isso aconteça com outras pessoas.
 
Hildo Pereira em 25/01/2012 02:00:50
Nossa Pedro Henrique, o seu comentario foi de um conhecimento incrivel.Os medicos estão ali para atender o paciente seja ele quem for, o mesmo não o fez Czt por peguiça, ou descaso mesmo com o paciente e com os familiares.Familiares voçês tem a prova em mãos procurem um advogado e entrem contra o estado o hospital o medico contra todos, pois se todos fizessem isto esta muito melhor as coisa.Lutem
 
Marilda Rodrigues em 25/01/2012 01:45:56
Hoje aconteceu esta tragédia com este rapaz, amanha pode acontecer comigo ou com qualquer um de nós. Esta tregedia poderia ter sido evitada se estes medicos que o atenderam tivessem mais seriedade e compromisso com a vida. Meus pesames a esta familia,que Deus conforte estes corações.
 
Juliana Pereira em 25/01/2012 01:38:47
AGORA, PORQUE A AUTORIDADES NAO FAZEM UMA CAMPANHA E DIVULGUEM ONDE É O LOCAL QUE DEVE SER ENCAMINHADO UMA VITIMA DE PICADAS DE COBRA, ESCORPIAO, ARANHA, ETC???? TEM QUE MAIS GENTE MORRER POR INCOMPETENCIA PRA ALGO SER FEITO? OU TEM QUE SER UMA VITIMA DE FAMILIA DE JUIZ OU DEPUTADO PRA ALGO ACONTECER? NOSSA SAUDE ESTA DOENTE!!
 
LUCIANO MARQUES em 24/01/2012 11:19:56
Não acredito que demoraram tanto para chegar esta conclusão.
 
José Carlos de Almeida em 24/01/2012 10:57:38
A negligência médica nesse país virou uma "epidemia" - tudo só funciona na base do dinheiro, com dinheiro nas mãos, todas as portas hospitalares se abrem e o paciente é recebido com "muitos carinhos, sorrisos fraternos pelos médicos e suas equipes" - cambada de mercenários!!
 
Joanne Pereira em 24/01/2012 10:42:36
E agora vai cobrar de quem?
 
sandra lima em 24/01/2012 10:20:51
Caso não se drogasse, teria mais credibilidade e provavelmente estaria vivo...agora , para os "papais queridos", é mais facil por a culpa nos médicos do que no drogado marginal do filho deles.
 
Pedro henrique em 24/01/2012 09:41:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions