ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Lixão no Noroeste pega fogo outra vez e moradores correm para salvar barracos

Moradores de comunidade disseram que fogo no local é comum e sempre tentam evitar que chegue nos barracos

Por Ana Paula Chuva e Aletheya Alves | 16/08/2021 13:38
Moradores usaram baldes para jogar água e evitar que chamas chegassem em barracos. (Foto: Kisiê Ainoã)
Moradores usaram baldes para jogar água e evitar que chamas chegassem em barracos. (Foto: Kisiê Ainoã)

No início da tarde desta segunda-feira (16), incêndio em área de vegetação onde ficava o antigo lixão, na região do Jardim Noroeste, em Campo Grande, assustou moradores, que saíram correndo para molhar os barracos e retirar botijões de gás, a fim de evitar explosões e piorar ainda mais a situação. Uma das casas teve o telhado destruído.

O local é recorrente nas notícias pelos incêndios de grande proporção que ameaçam os moradores da comunidades do bairro. Ao Campo Grande News, a vendedora, Paola de Oliveira, 36 anos, disse que já esperava a situação e que quando acontece, tenta evitar o pior.

"Geralmente, começa sozinho, então, acho que não tem como saber se alguém colocou fogo ali. Começou pela vegetação e foi chegando perto dos barracos. É assim todo ano. Falta um aceiro. Ouvi os estralos e corri para ajudar o pessoal na retirada dos botijões de gás", disse a mulher.

Ela conta que os incêndios tiveram interferência trágica na casa onde mora e foram responsáveis pela morte do filho no ano passado. O menino de um ano e meio usava sonda e não resistiu depois de inalar fumaça que saía de um foco que atingiu o mesmo terreno no ano passado. "Já tentei sair daqui e alugar uma casa, mas não consegui e acabei voltando”, afirma.

Assim como ela, Elisângela Teixeira, 43 anos, também moradora da Comunidade Esperança, tentou evitar o pior quando o incêndio começou.

Moradores molhando vegetação para evitar aproximação das chamas. (Foto: Kísie Ainoã)
Moradores molhando vegetação para evitar aproximação das chamas. (Foto: Kísie Ainoã)

"Estou tremendo até agora, tirei documento, botijão de gás e saí correndo. Todo ano essa correria. Na hora que vi o fogo, já comecei a chamar o bombeiro, mas é difícil, porque a fumaça fica impregnada", declarou Elisângela.

Outra estratégia usada pelos moradores, foi jogar água nos barracos para evitar que as chamas tomassem conta das moradias. Um dos barracos da comunidade chegou a ser atingido, mas os vizinhos rapidamente controlaram as chamas.

"Jogamos água, porque estava começando a chamuscar. Também tiramos a porta de um dos barracos para tirar o botijão e o colchão, porque o fogo já estava chegando", afirmou Maria Francisca da Silva, 74 anos.

A moradora do barraco que teve o telhado atingido não quis falar com a imprensa.

No local, equipe do Corpo de Bombeiros trabalha para controlar as chamas na vegetação e nenhum dos barracos corre risco de ser atingido, segundo os militares. Até o momento, foram utilizados 8,5 mil litros de água na parte de cima do antigo aterro.

Morador abastece baldes com água de mangueira. (Foto: Kisie Ainoã)
Morador abastece baldes com água de mangueira. (Foto: Kisie Ainoã)


Nos siga no Google Notícias