A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

31/10/2011 19:54

Mãe acorrentou filho em ato de desespero para protegê-lo, diz Polícia

Nadyenka Castro e Paula Maciulevicius

Garoto já fugiu de casas várias vezes, foi expulso de cinco escolas e há suspeitas que esteja envolvido com a venda de drogas

Correntes e cadeados usados para prender criança. (Foto: Simão Nogueira)Correntes e cadeados usados para prender criança. (Foto: Simão Nogueira)

Para a Polícia Civil, a mulher de 30 anos autuada por maus tratos nesta segunda-feira acorrentava o filho de 12 anos em atitude desesperada de proteção. “É uma mãe desesperada tentando proteger o filho”, resume o delegado João Reis Belo, que nesta tarde ouviu os dois personagens de uma triste situação que pode ser a realidade de muitas outras famílias.

O menino fugia de casa constantemente e para evitar as ‘fugas’, a mãe o prendia. Ele ficava com os pés acorrentados a uma cadeira na varanda da residência localizada no bairro Guanandi.

Conforme o delegado, o garoto não era agredido, não ficava sem alimentos, nem preso em um local fechado e ainda não era acorrentado todos os dias, situação que poderia caracterizar cárcere privado.

Segundo João Reis Belo, os relatos de mãe e filho coincidem, o que indica que nenhum deles mentiu. Ambos falam que a situação é geralmente pela manhã e quando a mãe sai. Ao retornar, o menino é solto.

A mulher o acorrenta, segundo versão apresentada ao delegado, porque o garoto já fugiu de casa várias vezes. Em uma delas ficou quatro dias sem aparecer na residência e até a Polícia foi acionada.

Por várias vezes a criança só volta para casa quando o pai o encontra nas ruas e ele até falou já vendeu entorpecentes. Por causa disso, a Polícia suspeita, de acordo com o delegado, que ele possa estar sendo usado no tráfico de drogas. “A gente suspeita porque não tem outra justificativa para ele estar nas ruas”, avalia o delegado.

“Ela fez isso porque não tinha outra alternativa. Não justifica, é claro, mas ela fez porque não tinha mais o que fazer”, fala João Reis Belo, que autuou a mulher pelos crimes de maus tratos e excesso no meio de correção e disciplina. Ela assinou Termo de Circunstanciado de Ocorrência e foi liberada.

De acordo com o delegado, a mulher já procurou ajuda para ajudar na situação. O menino já foi expulso de cinco escolas, alega não ser usuário de drogas e aparenta não ser agressivo. Ele não tem lesões pelo corpo.

A mãe está abalada emocionalmente e não aparenta desequilíbrio. O caso chegou até a Polícia Militar através de denúncias anônimas.

A reportagem entrou em contanto com a família, mas ninguém quis dar entrevista.



Mais do q responder a um processo criminal, o q essa senhora precisa é de ajuda. Por mais q sua atitude seja errada, se o próprio delegado já formou sua convicção, entendendo o desespero da mãe pra tentar proteger seu filho, o mínimo q se espera é q ele próprio indique ao Ministério Público p arquivamento, sugerindo ainda q mãe e filho recebam a devida, justa e obrigatória atenção do Estado.
 
Fernando Silva em 01/11/2011 12:48:03
Essas pessoas que denunciaram,por acaso algum dia foram ajudar?aposto que não,a atitude dessa mão apesar de dura,talves seja pelo desespero de ver seu filho se perdendo sem poder fazer mais nada e querendo salva-lo a todo custo.isso é amor,que esse filho consiga entender e não faça mais isso para não perder a pessoa que mais lhe ama.parabens sr Delegado pela entendimento ao caso.( ARQUIVO NELE)
 
Cezario de Oliveira em 01/11/2011 12:28:29
E a pessoa que denunciou, espero que ela em dia algum da vida dela passe por um problema desses, ela não tem noção da situação. Que Deus a perdoe pela atitude.
 
silvia dos santos pereira em 01/11/2011 11:21:31
Olha mãe, eu faria o mesmo agora para evitar problemas, ela deveria entregar o filho a justiça e pedir que eles tomem essa atitude, tendo em vista que nós pais não podemos corrigir nosso filhos, nem dar ocupação ha eles pq a lei não permite educarmos, e se trabalhar é pior ainda, estamos forçando menores , ah meu brasil Já fiz e faria novamente hoje minha filha agradece.chorando pois esta viva.
 
silvia dos santos pereira em 01/11/2011 11:16:43
Concordo plenanamente com os leitores acima , ................
 
paulo cesar coutinho de lima em 01/11/2011 11:00:40
Concordo com a Solange, duvido que uma dessas pessoas que denunciou a mãe algum dia foi lá oferecer ajuda para solucionar o problema.
É muito fácil querer a prisão sem a apuração dos fatos.
 
Andrea Caetano em 01/11/2011 09:37:14
Denunciar é facil, agora ajudar ninguém faz né... Assinar um termo circunstanciado de maus tratos e excesso no meio de correção e disciplina, achei desnecessário, agora a Policia ou essa pessoa que Denunciou pode orientar essa mãe o que ela pode fazer para poder resolver essa situação?
 
Gilmar Arantes em 01/11/2011 09:34:30
É muito triste essa situação, no meu ver não cabe punição para essa mãe e sim orientação e ajuda para saber lidar com esse caso.
 
marcelo de almeida em 01/11/2011 09:26:58
Atitude correta dessa mãe e mais ainda do delegado, que tem sensibilidade pra entender a situação delicada por que passa essa pobre mãe, que no desespero, apelou para uma maneira pouco usual, porém eficiente de disciplinar o filho arredio.
 
João Batista da Silva Borges em 01/11/2011 07:30:53
Um dia meu pai pegou meus dois irmãos fumando bitucas de cigarro que tinham achado na rua ele fez eles comerem aquelas bitucas e depois deu uma surra de cinto, e nunca mais meus irmãos pegaram num cigarro, hoje são homens responsaveis e trabalhadores, só que se fosse nos dias de hoje ele seria denunciado ao conselho e tudo mais, nossos filhos estão assim e cada vez irão ficar pior menor pode tudo.
 
celia regina neitzke lezo em 01/11/2011 04:25:02
Deus abençoe esta senhora e seu filho tambem .Este mundo ta perdido nas drogas acabando com os jovens e familias. Esta atitude é de desespero,pois sabemos que o vicio muita das vezes é um caminho sem volta. Mae leve seu para encontro de jovens ,seja qual for a religiao ,o importante é se aproximar de Deus.
 
VERA FERRARI em 01/11/2011 03:21:42
Pegar um telefone e denunciar uma mãe desesperada é fácil. Quero ver o DENUNCIOSO ir lá, enfrentar o problema.
Como já disse um comenteiro daqui: deveria ela entregar o filho ao conselho tutelar para que com "carinho, conversa e compreensão" eles tentassem resolver esse problema.
Porque se educar é proibido, que o Estado assuma vá fazer isso do jeito que se intromete para dizer que pode.
 
Juliana Morad em 01/11/2011 01:41:30
Concordo com as opiniões anteriores, e admiro muito a atitude do delegado. Agora, resta saber como é a casa da pessoa que fez a denuncia, provavelmente 100% , porque ela pode se dar ao luxo de ficar cuidando da vida dos vizinhos. E com certeza, ajuda ela nunca deve ter oferecido para essa mãe.
 
PATRICIA ROMERO em 01/11/2011 01:37:04
Infelizmente o fato é bem critico, os próprios denunciantes ao invés de denunciar esta mãe porque não foram ajuda la e dar lhe solução para o caso é fácil apontar as falhas #fim dostempos
 
Peterson de Almeida Chamorro em 01/11/2011 01:30:13
é facil denunciar..........dificil é ofereçer ajuda..............mais o maior culpado disso tudo é estas leis absurda que vao criando.............antigamente pai educava filho mesmo batendo e os mesmos virão os homens de responsabelidade , hj nao bate e vira traficante, prostituta, etcccc entrega todos para a justiça ou para quem vez as leis..........o brasil so tende a piorar com estas leis
 
ivanilde lopes em 01/11/2011 01:09:30
Garanto que esta pessoa que fez a denúncia anônima jamais ofereceu ajuda a essa mãe desesperada. As pessoas só sabem julgar. Por amor até eu acorrentaria meu filho, se isso o ajudasse a ficar longe das ruas e de toda a desordem que elas trazem.
 
Solange Lopes em 31/10/2011 09:05:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions