ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SEGUNDA  30    CAMPO GRANDE 31º

Capital

90% dos que procuraram vacina já estavam protegidos do sarampo

Das 7,6 mil crianças e adolescentes que procuraram as unidades de saúde, apenas 3% estava com a vacinação em atraso

Por Tainá Jara | 18/02/2020 17:17
Dia D da campanha contra o sarampo foi realizado no último sábado (Foto: arquivo/Tainá Jara)
Dia D da campanha contra o sarampo foi realizado no último sábado (Foto: arquivo/Tainá Jara)

Nos primeiros cinco dias da campanha de vacinação contra o sarampo, entre os dias 10 e 15 de fevereiro, 7.633 crianças e adolescentes foram em busca de imunização nas unidades de saúde de Campo Grande. Apenas 601 (3%) delas, no entanto, receberam a dose da tríplice viral, pois a maioria estava em dia com o calendário vacinal.

Durante o Dia D da campanha, realizado no último sábado, o secretário municipal de Saúde, José Mauro, ressaltou que a procura pelas vacinas está baixa. Foram disponibilizadas para o município mais de 39.230 doses extras, para ser aplicadas em pessoas entre 5 e 19 anos.

Ministério da Saúde estipula que 20% da população nessa faixa etária precisa tomar uma ou as duas doses da vacina, que protege de sarampo, caxumba e rubéola. Em Campo Grande, são cerca de 40 mil pessoas nessa faixa etária.

A campanha de vacinação vai até o dia 13 de março e ocorrerá em duas etapas: a próxima acontecerá no segundo semestre de 2020 e terá como alvo a população de 30 a 59 anos de idade.

Para erradicar a raiz do surto de sarampo, existente no País desde o ano passado, crianças com idade entre seis meses e menores de um ano passaram a tomar a chamada “dose zero” da vacina, já que essa é dada pela primeira vez aos doze meses e reforçada aos quinze. Somente no ano passado, mais de 7,3 mil crianças tomaram a dose zero.

Casos – Neste ano, em Mato Grosso do Sul, cinco casos de sarampo são investigados, sendo três na Capital. Em 2019, foram 102 notificação da doença, sendo que dois foram confirmados. A SES (Secretaria de Estado de Saúde), afirma que se tratavam de casos importados, já que os pacientes adquiriram a doença depois de passarem por outros Estados.

O sarampo é transmitido de forma direta, ao entrar em contato com secreções que sejam expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar de alguém que esteja infectado.