ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Major e sargento da PM estão entre presos em operação contra o jogo do bicho

Foram cumpridos 10 mandados de prisão e casa de deputado estadual foi alvo de buscas

Por Dayene Paz e Bruna Marques | 05/12/2023 10:30
Major Gilberto Luiz dos Santos é da reserva remunerada da PM desde 2017 (Foto: Reprodução)
Major Gilberto Luiz dos Santos é da reserva remunerada da PM desde 2017 (Foto: Reprodução)

A Operação Successione - ofensiva contra o jogo do bicho em Mato Grosso do Sul - prendeu o major Gilberto Luiz dos Santos, o “Major G. Santos”, e o sargento Manoel José Ribeiro, conhecido como “Manelão”, ambos da reserva da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul. A operação foi deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado).

Foram cumpridos, ao todo, 10 mandados de prisão na manhã desta terça-feira (5). O Gaeco também apreendeu dois celulares, um tablet e uma pistola do deputado estadual Neno Razuk (PL). Assessores dele também foram presos.

O grupo é ligado ao jogo do bicho, segundo a investigação. Em outubro deste ano, o Major G. Santos e Manelão foram encontrados com a "turma do baralho", em um imóvel no Bairro Monte Castelo. Lá, foram apreendidas 700 máquinas de apostas. Os militares chegaram a ser conduzidos para a delegacia, mas foram liberados.

G Santos, na época do flagra, era funcionário da Assembleia Legislativa, lotado no gabinete de Neno Razuk, desde 2019.

Viaturas saindo do condomínio Damha III, em Campo Grande. (Foto: Reprodução/Campo Grande News)
Viaturas saindo do condomínio Damha III, em Campo Grande. (Foto: Reprodução/Campo Grande News)

Os dois PMs aparecem juntos em episódio que aconteceu em 1997, em Dourados. Conforme noticiado pelo Dourados News, atuando no antigo GOF (Grupo de Operações de Fronteira), que era comandado pelo Coronel Adib Massad, e depois foi transformado no atual DOF (Departamento de Operações de Fronteira), os dois foram acusados de homicídio qualificado, com agravante de ação de extermínio. Mas, em março de 2009, foram absolvidos em júri popular, porque os jurados entenderam que os policiais agiram em legítima defesa.

“Manelão” tem ligação com outro nome vinculado ao jogo do bicho em Campo Grande. Pelo menos foi convocado para falar em defesa de Marcelo Rios, o ex-guarda civil que trabalhava para a família Name quando foi preso com arsenal, em 2019, em processo que o ex-servidor municipal responde por posse ilegal de armas. A ação do Garras, em maio daquele ano, desencadeou a Omertà, operação que mirou milícia armada formada para “proteger” a exploração da loteria ilegal e esquema de agiotagem.

Desde o flagrante em outubro deste ano, a investigação sobre o jogo do bicho ficou travada e pouco foi informado posteriormente sobre os rumos da apuração. Em novembro, o titular da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública), Antônio Carlos Videira, afirmou que as apurações estavam "muito avançadas", mas, sem detalhes. "O que se sabe é que um grupo de São Paulo, principalmente, que atua no estado vizinho, veio para Mato Grosso do Sul, ocupando este espaço que foi deixado em branco após a operação Omertà", disse.

Agentes do Gaeco chegando na sede do Garras. (Foto: Marcos Maluf)
Agentes do Gaeco chegando na sede do Garras. (Foto: Marcos Maluf)

Successione - Na manhã desta terça-feira, o Gaeco deflagrou a Operação Successione, com o objetivo de cumprir 10 mandados de prisão e 13 de busca e apreensão. Além de prender assessores do deputado, a casa de Neno Razuk, no condomínio Damha III, também foi vistoriada, sendo alvo de mandado de busca e apreensão. Policiais apreenderam com ele: dois celulares, um tablet e uma pistola.

Entre os dez presos, quatro foram levados à sede do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros): um também é assessor de Neno, identificado como Diego de Souza Nunes, e o outro é o filho do major G. Santos, Júlio César dos Santos. Os outros presos foram identificados apenas pelos primeiros nomes: Matheus e Valnir.

Advogados dos envolvidos movimentaram a sede do Garras e do Gaeco, mas pouco falaram com a imprensa. No geral, afirmaram que precisam "se inteirar" da investigação.

Outro lado - Neno Razuk esteve na Assembleia Legislativa na manhã desta terça-feira e comentou sobre o cumprimento dos mandados, afirmando que não é um criminoso. “Não tenho nenhum cambista nenhuma banca não tem nada aqui, eu acho que estão querendo jogar isso nas minhas costas”. Ele rebateu com meias palavras, indicando que sabe como funciona a contravenção na Capital. “Eu não tenho nada com isso nada e realmente não querem procurar quem deveriam procurar.”

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias