A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

14/07/2012 10:02

Manifesto por Scooby no Centro é tímido, apesar de alta adesão pela internet

Fabiano Arruda e Paula Maciulevicius
Presidente da ONG Abrigo dos Bichos pede mudança na política de saúde pública. (Foto: Minamar Junior)Presidente da ONG Abrigo dos Bichos pede mudança na política de saúde pública. (Foto: Minamar Junior)

O manifesto pela vida do cão Scooby na manhã deste sábado no cruzamento da avenida Afonso Pena com a Rua 14 de Julho, região central de Campo Grande, foi tímido e teve baixa participação, embora a petição para que o animal não seja sacrificado já reúna 16,4 mil assinaturas na internet.

Por meio do Facebook, cerca de 200 pessoas chegaram a confirmar presença, mas, por lá, integrantes do Abrigo dos Bichos encabeçaram a movimentação.

Maria Lúcia Metello, presidente da ONG, destacou que o manifesto partiu da iniciativa popular, que mostrou revolta com a situação do Scooby.

Ela pediu que o ato sirva para evitar o sacrifício do vira-lata. “O Poder Público precisa repensar nas políticas de saúde pública. O mundo todo trata e só o Brasil mata”, comentou.

Metello admite que mudar a situação depende de um entendimento por parte do Ministério da Saúde. No entanto, ela defende que o prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), que se envolveu com o assunto durante a semana, seja o porta voz do debate.

Para Tayrone Moura, que se juntou nesta manhã ao movimento juntamente com o Abrigo dos Bichos, a leishmaniose tem tratamento e não é preciso submeter animais à eutanásia, procedimento padrão para cães diagnosticados com a doença.

“Cachorro é gente igual a gente”, afirmou Moura, que estava de muletas e fez questão de comparecer ao local para “ajudar o Scooby”.

Comoção - O cão ficou conhecido após ser amarrado em uma moto e arrastado até o CCZ (Centro de Controle de Zooonoses).

Scooby permanece no CCZ, para onde foi levado após sofrer as agressões. O dono alegou que o animal estava com sintomas de leishmaniose e que só o amarrou à moto para levar até o local porque havia chamado e o Centro não havia enviado equipe ao local.

Após a repercussão do caso, o prefeito anunciou o projeto para implantação de um pronto-socorro veterinário no CCZ.



Só o Brasil adota como controle da Leish, a matança obrigatória. O mundo trata e o Brasil mata. A doença espalhou de norte a sul. Será que somente nós estamos certos?
 
Vivi Vieri em 18/07/2012 04:38:54
Se matar resolvesse, CG, BH, Bauru, Araçatuba e outras cidades, já teriam pelo menos controlado a doença, e o que vemos a cada dia é a sua expansão. Infelizmente, as pessoas não querem ter o trabalho de entender o que é leishmaniose, preferem aceitar o que é passado pelo poder público e dizer amém. Prevenção, essa é a melhor política para evitar a doença, e não a matança indiscriminada.
 
Vivi Vieri em 18/07/2012 04:37:23
Enquanto o poder público, nesse caso o Ministério da Saúde, insistir nessa política pública ineficaz e antiética, continuar dizendo para população que o cão é o vilão, a doença estará se expandindo, pois a população acha que tirando o animal de sua casa resolveu o problema, mas de acordo com pesquisas recentes, o que traria maior resultados é o controle do vetor e não a morte de cães.
 
Vivi Vieri em 18/07/2012 04:32:54
O que precisa é a população ser mais bem informada, trabalhar a prevenção e educação.
Leishmaniose é como a dengue, deve-se controlar o vetor, não criando locais propícios onde o inseto possa se reproduzir. Podem matar todos os cães de Campo Grande, que a doença não deixará de existir, pois outros reservatórios continuarão a disseminar a doença, entre eles o próprio ser humano.
 
Vivi Vieri em 18/07/2012 04:28:00
Quando se fala em leishmaniose, a primeira coisa que vem na mente é que o cão é o culpado, ledo engano.
Primeiro as pessoas tem que saber que o cão não é o único reservatório e responsável pela transmissão da doença. TODOS os mamíferos tem capacidade de infectar o inseto, inclusive o SER HUMANO. Isso é comprovado através de trabalhos científicos.
 
Vivi Vieri em 18/07/2012 04:20:39
concordo plenamente com a danielle lopes porque se a pessoas que se preocupam tanto pq agente está fazendo um protesto pelo scooby azar é o delas reclama elas sabem agora faze alguma coisa pra muda isto elas não sabem então dexa que agente faz o protesto por uma vida que é igual a de todo mundo e dexa essas pessoas que só sabem reclama dos outros mais não sabem ajudar nem consientizar!
 
andrielly bassoa brum em 15/07/2012 05:17:20
Então Doralice Pereira ja que vc esta tão preocupada assim com as pessoas pque vc não encabeça uma manifestação....cada um defende o que quer... ou vc só fica em casa pra criticar as pessoas que defendem algo?
 
Wanderléia Espindola em 14/07/2012 12:49:26
O ato cruel dos homens não se justifica.....e falar por falar a vida do cão nao muda nada. Pensemos e falemos da doença que está nele e como e onde ele adquiriu.....dos cuidados q quem tem um animal deve ter.....
E discutirmos que a Leishimaniose pode pegar nas crianças e em qualquer um que ficar proximo de animais como ele.....Vida louca vida...“Cachorro é gente igual a gente”..foi demais
 
Lúcio Borges em 14/07/2012 12:46:43
Doralice, não é por "um cão" é pela vida de um ser vivo, como eu e você, que sente dor, medo, fome e que merece viver! Claro que também é importante melhorar hospitais, mas o que isso tem a ver com a mobilização que fazemos pelo Scooby? NADA! e se você se preocupa tanto com os hospitais me diga quantas vezes você já se manifestou pela saúde publica? A vida do Scooby ñ é menos importante que a sua
 
Danielle Lopes em 14/07/2012 12:09:02
Olha, não dá pra entender o ser humano, milhares de pessoas se mobilizando por um cão, tocando até mesmo a sensibilidade do prefeito em construir um pronto socorro veterinário, enquanto centenas de pacientes estão em condições precárias de atendimento nos corredores da Santa Casa, HU e Hospital regional.
Será q não vai haver uma mobilização maciça pra se resolver essa questão?
 
Doralice Pereira em 14/07/2012 11:10:38
E para os que não sabem, o cão não transmite a Leishimania. E sim o mosquito feblótomo. Vamos nos informar pessoal! E o cão sente dor e medo tanto quanto os humanos, será díficil perceber isso??
 
Paloma Dos Santos Silva em 14/07/2012 08:16:06
Doralice, cada pessoa deveria lutar por uma causa! Eu luto pelos animais, mas acho q vc seria uma boa voluntária nas lutas pela saúde pública. O que achaaa??
 
Paloma Santos em 14/07/2012 08:14:39
Havera Doralice no dia 7 de outubro voce pode fazer sua manifestação nas urnas só que dificilmente o problema sera resolvido se até ngm conseguiu resolver
 
William Alves da Silva em 14/07/2012 04:43:51
Para a pessoa que está criticando o movimento em prol do SCOOBY por estar comovida pela falta de atendimento na Santa Casa, eu sugiro que ELA encabece um movimento em prol dessas vidas ao invés de ficar criticando quem aderiu a causa não somente do SCOOBY mas de milhares de cães inocentes que estão sendo sacrificados, mas que não são a causa da transmissão da doença. CRITICAR É FÁCIL, FAÇA algo!
 
Amália Santos em 14/07/2012 01:49:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions