ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEXTA  27    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Mesmo ao lado das lixeiras, papéis vão para o chão no centro da cidade

Por Filipe Prado | 15/11/2013 13:34
Mesmo próximo a lixeiras, campo-grandenses jogam lixos na rua (Foto: Marcos Ermínio)
Mesmo próximo a lixeiras, campo-grandenses jogam lixos na rua (Foto: Marcos Ermínio)

Mesmo com bom número de lixeiras, na área central de Campo Grande o lixo é jogado nas ruas.  Quem passa pela região percebe a quantidade de papéis e outros objetos pelo chão, até ao lado dos pontos adequados.

Gleicielli Fernandes de Almeida, 16 anos, entrega panfletos nas ruas há três meses, e diz estar acostumada com esse tipo de atitude. “Falta conscientização, o que custa a pessoa jogar o lixo no lixo? Não custa nada”, comenta.

Ela relata que há muitos panfleteiros na região, fazendo com que o número de papéis aumente. “Nas esquinas tem muitas pessoas que entregam panfletos, então a pessoa pega o papel, anda um pouco e já joga na esquina. Todos os dias eu vejo”, relata Gleicielli.

Bons exemplos também foram encontrados (Foto: Marcos Ermínio)
Bons exemplos também foram encontrados (Foto: Marcos Ermínio)

Mas não é só papel que encontramos pelas ruas. O pedreiro Mario Pires da Silva, 25, foi flagrado jogando um palito de fósforo na calçada. “Eu achei pouca coisa, não faz muita diferença. Fiz isso para não queimar o bolso”, brinca.
Mario comenta que essa é uma ação que dificilmente será mudada na população. “É difícil de controlar, pois não são todos que jogam nas ruas, eu mesmo coloco no bolso, até encontrar um lixo”.

Alguns colocam a culpa nas empresas que entregam os panfletos. “As pessoas tem que ter conscientização, mas os próprios panfleteiros induzem as pessoas a pegarem os papéis, então alguns acabam jogando no chão”, explica Silvio Aquiles, 35.

A quantidade de lixos nas ruas dobra o trabalho dos garis, como o de Albino Gauna, 50. “As pessoas poderiam jogar lixo nas lixeiras, facilitaria nosso trabalho, pois só pegaríamos o que está lá dentro. Além de facilitar, ainda preserva a cidade limpa”.

Mas também encontramos os bons exemplos pela cidade. Aparecida Vanderlei, 48, guardou o panfleto no bolso para jogar dentro do lixo. “Eu sempre pego o panfleto, levo pra casa e leio, casos seja interessante eu fico, senão eu jogo no próprio lixo de casa”.

Aparecida explica que essa atitude é boa para a cidade. “Acho esquisito, errado quem joga lixo no chão. Elas têm que preservar a cidade”, comenta.

Nos siga no Google Notícias