ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Mesmo com lei sancionada, motorista vai ter de esperar para parcelar multa

Detran MS afirma que o Departamento Nacional de Trânsito precisa autorizar o credenciamento de empresas, que serão responsáveis por processar pagamentos

Mayara Bueno | 21/08/2018 12:23
Motos e carros estacionados em local com restrições na rua 14 de Julho. (Foto: Saul Schramm/Arquivo).
Motos e carros estacionados em local com restrições na rua 14 de Julho. (Foto: Saul Schramm/Arquivo).

O motorista com multa de trânsito terá de aguardar para poder parcelar a dívida, de acordo com o Detran (Departamento de Trânsito de Mato Grosso do Sul). Nesta terça-feira (dia 21), o governo estadual sancionou a medida, já prevista pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito), que permite o parcelamento dos débitos no cartão de crédito.

Segundo a justificativa da autarquia, isso ocorre porque o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) precisa autorizar o Departamento de Trânsito de MS a fazer o cadastramento de empresas.

"As empresas que poderão prestar o serviço de parcelamento deverão estar previamente credenciadas e autorizadas pelo Denatran, por instituição credenciadora supervisionada pelo Banco Central do Brasil a processar pagamentos, inclusive parcelados, mediante o uso de cartões de débito e crédito", respondeu o Detran por meio de nota.

Ainda de acordo com a Departamento de Trânsito, em 2 de agosto, o diretor-presidente Roberto Hashioka encaminhou ofício para viabilizar o pagamento parcelado. Em 15 de agosto, uma reunião entre o dirigente e o diretor do Departamento Nacional de Trânsito, Maurício José Alves Pereira, reforçou o pedido.

Sancionada - O texto autorizando o parcelamento foi sancionado hoje, inclusive afirmando que a vigência começa agora. Contudo, o governo precisa editar as regras e obter autorização do Denatran para que o contribuinte que cometeu infração consiga parcelar as suas dívidas.

Nos siga no Google Notícias