A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

15/02/2011 20:13

Movimentos negros do Estado dizem que racismo ainda existe na sociedade

Paula Vitorino

A exemplo do caso de ofensa racial registrado hoje (16), em Campo Grande, a questão do racismo “ainda existe, e muito, no Mato Grosso do Sul”, segundo o coordenador do Fórum Permanente das Entidades do Movimento Negro do Estado e presidente do Instituto Casa da Cultura afro-brasileira, Antônio Borges dos Santos.

Para Borges, o racismo precisa ser combatido dentro da família e, principalmente, já nas crianças.

“As pessoas não têm coragem de dizer que são racistas. Mas ele existe e já dentro da família. Quando o pai diz para a criança que não gosta de negro, essa criança já vai crescer com a mentalidade racista”, diz.

Uma das soluções apontadas pelo representante de movimentos negros é a inclusão da história do negro na grade curricular do ensino fundamental e médio.

“Estamos lutando para que a história da África e do negro no Brasil entre no currículo escolar. O povo que não tem sua história reconhecida não é nada. Isso é uma forma de dizer que nós não existimos”, ressalta.

Os vários nomes que a legislação designou para a discriminação racial, segundo Borges, também contribui para a impunidade.

“A lei precisa ser aplicada. Preferem chamar de injúria ao invés de racismo. Isso é uma forma de dizer que no Brasil não existe racismo.”, frisa.

Já o advogado e conselheiro do Conselho Estadual de Direitos do Negro, José Roberto Camargo de Souza, alerta para a necessidade de que as leis sejam devidamente cumpridas.

“A legislação precisa ser aplicada. A vítima deve registrar boletim de ocorrência e também pode entrar com ação na justiça contra danos morais e então receber indenização do autor. Dessa forma, o autor pode ser punido com detenção e também pagar com o bolso”, explica.

Ele ainda orienta as pessoas que se sentirem ofendidas ou discriminadas racialmente a procurar o Conselho. “Lá nós prestamos todo apoio a vítima e orientamos sobre seus direitos”, esclarece.

O telefone do Conselho Estadual de Direitos do Negro é 3382-9206.

Sem identificação, baleado no Jardim Colibri morre na Santa Casa
Morreu na Santa Casa de Campo Grande, homem encaminhado depois de ter sido baleado, esta noite (22) na Rua Carricá, no bairro Alves Pereira, região d...
Suspeito é atingido por pelo menos três tiros no Jardim Colibri
Suspeito, ainda não identificado, foi baleado com pelo menos três tiros, esta noite (22) na Rua Carricá, no Alves Pereira, região do Jardim Colibri, ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions