ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEGUNDA  16    CAMPO GRANDE 13º

Capital

MPE dá prazo de 10 dias para prefeitura solucionar falta de remédios

Por Filipe Prado | 02/12/2013 18:40

A promotoria de Justiça da Saúde de Campo Grande, mais uma vez, deu prazo de 10 dias, para que a prefeitura regularize a situação das unidades de saúde da Capital. A promotora Filomena Aparecida Depólito Fluminham encaminhou a exigência para o prefeito Alcides Bernal (PP) e ao secretário municipal de Saúde, Ivandro Corrêa Fonseca.

O prazo é para a que seja feita a aquisição de medicamento, materiais e insumos básicos, além de promover o abastecimento da farmácia e almoxarifado da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), também das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) do Coronel Antonino e da Vila Almeida e das 83 unidades de saúde.

De acordo com vistoria realizada pelo Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul, entre julho e outubro de 2013, as UPAs são precárias, em relação à estrutura, e já é considerada crônica a falta de remédios. A promotoria de Justiça também realizou vistorias, porém na farmácia e almoxarife da Sesau, constatando irregularidades, falta de medicamentos e materiais.

Segundo assessoria de imprensa, o objetivo da interferência do MPE, é a sanar as irregularidades, que comprometem o atendimento de toda a rede municipal de saúde. Os problemas vêm crescendo nos últimos meses, deixando as Unidades Básicas em situações insustentáveis, exigindo a tomada de decisões urgentes.

A promotora pede que o as exigências sejam cumpridas em prazo de 10 dias, adotando medidas administrativas, para cumprir com todas as recomendações feitas pelo Ministério Público. Filomena já expediu ofício para a Sesau, porém não obteve resposta.

Leitos - No mês passado a promotoria também determinou um prazo de 10 dias para que o prefeito e a secretaria de saúde regularizassem a situação dos leitos na emergência do SUS (Sistema Único de Saúde).

A promotoria relatou que a superlotação dos hospitais e a falta de leitos, normais e da UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), colocaram em risco a vida dos pacientes.

Prefeitura - O Campo Grande News entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Campo Grande, através de email, mas não recebeu uma resposta até o final do dia.

Nos siga no Google Notícias