A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 22 de Setembro de 2018

12/12/2013 09:39

Mulher que dividiu casa com homem degolado é ouvida por juiz

Aline dos Santos e Viviane Oliveira
Testemunhas participam de audiência hoje e, temerosas, não querem mostrar os rostos. (Foto: Marcos Ermínio)Testemunhas participam de audiência hoje e, temerosas, não querem mostrar os rostos. (Foto: Marcos Ermínio)

Com atraso de 45 minutos e pedido de cancelamento, a Justiça faz nesta quinta-feira a segunda rodada de audiências sobre a execução do delegado aposentado Paulo Magalhães, ocorrida em 25 de junho, em Campo Grande.

Hoje, a audiência, que vai ouvir 12 pessoas, começou às 8h45 com o depoimento de uma mulher que dividiu casa por três semanas com Rafael Leonardo dos Santos, de 29 anos. O corpo dele foi encontrado sem cabeça, braços e pernas próximo ao lixão, na saída para Sidrolândia. A identificação foi feita por exame de DNA.

A testemunha, que pediu para não ter o nome divulgado, relatou que não tinha relacionamento amoroso com o jovem e que moravam juntos para dividir despesa. Ela pediu que os réus – o guarda municipal José Moreira Freires, de 40 anos, e o segurança Antônio Benitez Cristaldo, de 37 anos – não acompanhassem o depoimento. O guarda é apontado como o pistoleiro e o segurança teria auxiliado na fuga. Ambos estão presos.

O promotor Humberto Lapa Ferri centrou os questionamentos na situação financeira de Rafael, com perguntas sobre bens e carro que a vítima possuía. A mulher respondeu que tinha poucas informações sobre o morto. Porém, enfatizou a brutalidade do crime. “Fiquei chocada com a morte dele. Não tinha muito contato. Mas foi uma morte brutal”, disse. Para a Polícia, o assassinato de Rafael foi queima de arquivo.

Das testemunhas, cinco vão depor em defesa de Antônio Cristaldo e sete foram arroladas pela acusação. Dentre elas, o delegado do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros), Alberto Vieira Rossi. “Acredito que o promotor quer esclarecer alguns pontos”, afirma Rossi, que foi chamado para substituir outra testemunha.

Nesta quinta-feira, também será ouvido um investigador da DEH (Delegada Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio). O delegado aposentado e professor universitário Paulo Magalhães Araújo, 57 anos, foi atingido por disparos de pistola 9 milímetros, de uso restrito do Exército. Ele estava em frente à escola da filha, na rua Alagoas, quando foi executado.

Ontem, Renê Siufi, advogado do guarda municipal, tentou anular a audiência, com justificativa de solicitação de documentos sem o conhecimento da defesa. Os depoimentos são prestados ao juiz Aluízio Pereira dos Santos, na 2ª Vara do Tribunal do Júri, no Fórum da Capital.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions