A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

22/11/2015 08:44

Permissionários negociam bancas no Camelódromo por até R$ 150 mil

Ricardo Campos Jr.
Após o pagamento, comerciantes assinam carta de desistência do Box e fazem transferência (Foto: Ricardo Campos Jr.)Após o pagamento, comerciantes assinam carta de desistência do Box e fazem transferência (Foto: Ricardo Campos Jr.)
Cartazes na administração do Camelódromo anunciam venda de bancas (Foto: Ricardo Campos Jr.)Cartazes na administração do Camelódromo anunciam venda de bancas (Foto: Ricardo Campos Jr.)

Mesmo sem ter direito de propriedade sobre as bancas do Camelódromo, permissionários lucram até R$ 150 mil com a venda de espaços no centro comercial. O esquema é favorecido pela falta de regras claras para a transferência de autorizações, cuja regulamentação foi recomendada ao município pelo MPE (Ministério Público Estadual) na semana passada.

Ontem, a Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) publicou um extrato no Diário Oficial informando que irá acatar a medida e determinou que a secretaria jurídica elabore a resolução.

O Campo Grande News entrou em contato com duas pessoas que anunciaram boxes no mural ao lado da Associação dos Vendedores Ambulantes de Campo Grande, que gerencia o local público. Os comerciantes deram detalhes sobre como funcionam as negociações.

Após a entrega do dinheiro, eles emitem uma carta desistindo da banca e comunicando a transferência. O documento então segue para autorização da prefeitura e segue os trâmites burocráticos normais.

Em um dos casos, o atual responsável pelo box revela que há três meses tem alugado o espaço, o que também é proibido pelas normativas. A prática serve para mantê-lo aberto, já que o fechamento por sete dias consecutivos ou 30 dias alternados ocasiona a perda do direito ao uso.

O outro comerciante afirma que pretende usar o dinheiro obtido com a venda da banca em outro negócio.

No momento em que a reportagem esteve no local, existiam seis avisos anunciando a disponibilidade de espaços no Camelódromo.

“Transferências irregulares não existem, porque quem acompanha é a prefeitura. A pessoa faz a renúncia do box e nós deixamos na pasta. Quando juntam de duas a quatro nós agendamos na prefeitura, o pessoal do município vem e faz a transferência”, explica o presidente da associação, Francisco José Pereira.

Segundo ele, quando o local começou a funcionar existia uma lista de espera de interessados em abrir um estabelecimento no centro comercial e por isso, a desistência tinha que ser informada diretamente na secretaria responsável. Hoje, ela é feita na própria administração do lugar.

A prefeitura, por meio da assessoria de imprensa, informa que foi oficiada na tarde de sexta-feira e tem dez dias para informar a promotoria se acata ou não a recomendação e, em caso afirmativo, dizer quanto tempo levará para editar a resolução.

 

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...


Nesta cidade as leis não existem mais, ninguem respeita a prefeitura pois praticamente estamos sem prefeito desde o inicio do mandato, não entrou um prefeito que tivesse moral para fazer nada, entraram só pra saquear e é isso que estão fazendo, no camelodromo tem muita gente boa trabalhando, mas em contrapartida tá cheio de bandido no meio dos honestos
 
Max em 23/11/2015 10:05:30
Como assim estão vendendo!!

Sendo que o prédio é da prefeitura!

O brasileiro é esperto, a prefeitura constrói o prédio e o cara vai e se instala de graça, dai depois ele põe a venda por 150.000,00 mil Reais.

E o que é pior, isso tudo com o consentimento da Associação que administra o Camelódromo.

É aquele ditado: O que seria dos espertos se os trouxas não existissem.
 
wild em 22/11/2015 13:15:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions