A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 23 de Setembro de 2018

18/10/2017 12:10

Polícia apura se atestados de óbito comprados esconderam assassinatos

Dentista e agente funerário foram presos em flagrante nesta terça-feira por falsificar as declarações; conforme a investigação, famílias pagavam até R$ 500 pelo documento

Anahi Zurutuza e Bruna Kaspary
Um dos presos durante coletiva na Depac da Vila Piratininga (Foto: Marina Pacheco)Um dos presos durante coletiva na Depac da Vila Piratininga (Foto: Marina Pacheco)

A Polícia Civil vai investigar se os atestados de óbitos emitidos por um dentista de Campo Grande que se passava por médico foram usados para encobrir assassinatos. Foi o que declarou o delegado Hoffman D’Avila Candido de Souza, da 5ª DP (Delegacia de Polícia), durante entrevista coletiva concedida à imprensa no fim da manhã desta quarta-feira (18).

Ele afirmou que o caso será repassado à Dedfaz (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Defraudações e Falsificações). “Vai ser investigado se houve delitos encobertos pela ação”.

O delegado disse ainda que não é possível dar a dimensão do esquema. “Há chance de haver outras funerárias envolvidas no caso e essa quadrilha pode estar atuando desta forma há anos”.

As famílias que compraram os atestados também estão na mira da polícia, que quer saber quem agiu de má-fé e quem foi enganado.

Esquema - O dentista Marco Aurélio Dorsa, 52 anos, e Anderson Ferreira de Souza, 35 anos, da funerária Anjos da Paz, foram presos em flagrante na noite desta terça-feira (17) e levados à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga.

O esquema foi descoberto depois que uma funcionária do SVO (Serviço de Verificação de Óbito), órgão público responsável pelos atestados e que também emite o documento de forma gratuita, encontrou irregularidade no preenchimento da declaração de óbito de uma pessoa que morreu por causas naturais.

Ela informou o médico Arino Faria da Silva, de 47 anos, sobre o problema e foi quando ele descobriu que o carimbo e a assinatura dele eram usados para a fraude. O profissional procurou a polícia na tarde de ontem.

Segundo Hoffman, a família da pessoa que teve o atestado emitido pelo falso médico admitiu ter pagado R$ 300 para a funerária e um funcionário da Anjos da Paz também declarou que a pedido do patrão, repassava dinheiro ao dentista.

A polícia, contudo, trabalha com a hipótese dos atestados custarem até R$ 500.

Marco Aurélio e Anderson foram presos e vão responder por falsidade ideológica de documento público. O dentista foi autuado ainda por exercício ilegal da profissão.

Durante a coletiva na Depac, os dois esconderam a face dos repórteres e preferiram não dar entrevista.

Procedimento - Quando uma pessoa morre naturalmente – doença e causas que não por acidente ou homicídio – o médico responsável por atestar o óbito é o que assiste ao paciente.

A família também pode contratar um profissional para emitir um atestado particular, embora a Coordenadoria-Geral de Perícias preste o serviço gratuitamente, por meio do SVO.

No esquema descoberto pela polícia, o dentista sequer examinava as pessoas que haviam morrido, por isso, a polícia investiga a possibilidade dos atestados terem acobertado homicídios.

Dentista que se passava por médico e assinava atestados de óbito é preso
Um dentista, que não teve a identidade revelada pela Polícia Civil, foi preso nesta noite de terça-feira (17) por se passar por médico e assinar ates...
Falso médico aplica golpe em familiares de pacientes da CTI em Santa Casa
Após caso de falso médico aplicando golpes em familiares de pacientes internados na Santa Casa da Capital, o mesmo tipo de crime foi registrado em Co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions