ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 35º

Capital

Polícia diz que já identificou 'pichadores do PCC' e planeja ações

Rafael Ribeiro | 27/01/2017 10:56
Pichação em imóvel de Anhanduí; em encontro com comerciantes, PM pedirá para que inscrições sejam pintadas (Foto: Direto das Ruas)
Pichação em imóvel de Anhanduí; em encontro com comerciantes, PM pedirá para que inscrições sejam pintadas (Foto: Direto das Ruas)

A Polícia Militar de Campo Grande garante que já tem identificados alguns suspeitos de serem os autores de pichações destacando a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), no distrito de Anhanduí.

Segundo o tenente-coronel Emérson de Almeida Vicente, responsável pela corporação na área, reuniões serão feitas a partir desta sexta-feira (27) com os comerciantes e o subprefeito do distrito, Ernesto Francisco dos Santos, para troca de informações e estreitamento das relações visando diminuir a sensação de insegurança dos moradores.

“Nosso setor de inteligência já tem alguns nomes, estamos trabalhando em cima, juntando provas e evidências para que os autores sejam detidos”, disse Almeida.


Conforme o Campo Grande News informou, desde o início do ano as pichações atormentam a vila, que fica às margens da BR-163 e próxima da divisa com Nova Alvorada do Sul.


Para Santos, o vandalismo que usa as iniciais da quadrilha criada em São Paulo é uma forma dos bandidos marcarem seu território. Ele diz que aumentaram os casos de roubo e furto e cresceu o número de usuários de drogas na localidade.

Para o coronel Almeida, a situação no distrito, formado basicamente por vendedores de alimentos caseiros às margens da estrada, não é de alarde. “Vamos tentar organizar uma forma dos moradores apagarem (as pichações). Não é o caso de se criar um clima de tensão, uma propaganda negativa. Vamos planejar medidas preventivas”, disse.

A motivação das pichações ainda é mantida em sigilo para não atrapalhar as investigações. A Polícia Civil, no entanto, investiga se há integrantes do PCC morando na vila.

Por ser um lugar isolado e de rápido acesso a São Paulo, chamariam menos atenção das autoridades. Um inquérito está em andamento.

Nos siga no Google Notícias