A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

27/07/2017 15:45

Polícia procura restos mortais em tubulação de esgoto no Aero Rancho

Anahi Zurutuza
Bombeiros durante buscas pelo rio Anhanduí (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Bombeiros durante buscas pelo rio Anhanduí (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

A Polícia Civil procura numa tubulação de esgoto na região de difícil acesso do bairro Aero Rancho – sul de Campo Grande – restos mortais, que, segundo Campo Grande News, podem ser de Kauan Andrade Soares dos Santos, de 9 anos, embora o delegado Paulo Sérgio Lauretto, responsável pela investigação, não confirme.

O crime – Conforme apurou a equipe da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), Kauan morreu no dia 25 de junho, dia em que saiu de casa para brincar e não voltou.

O testemunho de um adolescente, de 14 anos, que teria levado Kauan até a casa de Deivid de Almeida Lopes, de 38 anos, norteou a investigação. No início da noite daquele dia, a criança estava a cerca de 3 km de casa, na Coophavilla 2 – bairro do sudoeste da cidade, onde o suspeito, um homem de 38 anos, mora.

Segundo o adolescente, quando o homem começou a violentar a criança, o menino se debatia, chorava bastante e gritava muito. Por isso, o acusado pediu para o adolescente segurar o garoto enquanto ele tapava a boca do menino com a mão.

Minutos depois, Kauan parou de se debater e começou a sangrar pela boca. Foi quando o pedófilo e o adolescente constataram a morte, resolveram se livrar do corpo, o colocaram em um saco preto e atiraram no rio Anhanduí.

Deivid, que deu aulas de português e inglês em escolas da rede municipal e estadual, foi indiciado por abuso de vulnerável, homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Ele foi transferido na manhã desta quinta-feira (27) da carceragem da Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos) para o Instituto Penal de Campo Grande, no Jardim Noroeste - leste da Capital -, em ala específica para autores de crimes sexuais.


(Matéria editada às 20h para correção de informação)

 




Alem da trágica morte de uma criança, o grande absurdo é saber que aconteça o que acontecer o menor de idade que ajudou no crime, ao completar 18 anos estará com a ficha mais limpa que a minha. Cuidado senhores legisladores pois a população já não aguenta mais e logo logo será olho por olho e dente por dente até estarmos todos cegos e banguelos.
 
Alex André de Souza em 27/07/2017 16:30:47
Meu Deus quanta crueldade isso não é ser humano não que espécie de ser e esse? Uma criança, uma criança dói em qualquer mãe essa história, Uns seres desses não pode ficar impune jamais..
 
Silvia de Oliveira Mota em 27/07/2017 16:07:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions