A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

26/02/2014 20:44

Polícia vê guerra entre flanelinhas na disputa por território no Centro

Zana Zaidan e Kleber Clajus
Atuação dos flanelinhas é discutida para evitar violência e preços exorbitantes para estacionar em Campo Grande (Foto: Arquivo)Atuação dos flanelinhas é discutida para evitar violência e preços exorbitantes para estacionar em Campo Grande (Foto: Arquivo)

A Polícia Civil afirma que existe uma guerra entre flanelinhas nas ruas de Campo Grande. Determinados locais são apontados como os preferidos dos guardadores de carros e, na disputa de território, quem paga é o motorista, que fica a mercê dos flanelinhas para poder estacionar o carro.

É o caso da igreja Perpétuo Socorro, no bairro Amambaí. Conforme o titular da Delegacia Especializada de Ordem e Política Social, Marcos Takeshita, nas quartas-feiras dia de Novena, flanelinhas conseguem lucrar até R$ 300. “A briga é acontece nestes locais com grande concentração de pessoas, cujo movimento tem data e hora certa”, disse o delegado durante audiência pública realizada na noite de hoje (26), na Câmara Municipal, para debater a regulamentação da profissão.

Há uma pressão de diversos segmentos do comércio local e da Polícia para que a prefeitura estabeleça regras para atuação dos flanelinhas, a fim de evitar a disputa por determinadas áreas e, principalmente, a cobrança de preços exorbitantes para estacionar em via pública.

Para o presidente do Conselho de Segurança da Área Central, Adelaido Luiz Spinosa a lei federal que regulamenta a atividade, criada em 1975, está ultrapassada. “Vem da época da Ditadura Militar, e mostra os gargalos da segurança pública. Não é certo pagar para ter o carro vigiado e se sentir seguro”, opinou.

O superintendente estadual do Ministério do Trabalho, Anizio Pereira Tiago, ponderou que apesar de a lei existir, ela não determina ou institui o treinamento desses flanelinhas para atuar nas ruas. “A lei autoriza o Ministério do Trabalho a fazer o registro do guardador, mas só o fato de credenciá-lo não quer dizer que é um profissional. A lei está desconectada da nossa realidade”, considera. A solução, aponta ele, seria os trabalhadores criarem uma cooperativa.

O representante da Fecomércio/MS (Federação do Comércio), Fernando Camilo, lembrou ainda da necessidade de ouvir os empresários quanto a regulamentação da atividade pela prefeitura. “Pode gerar conflito com os proprietários de estacionamentos particulares”, alertou.

Participam do debate entidades representativas do comércio, as polícias Civil e Militar, além do Ministério Público do Trabalho, Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), SAS (Secretaria de Assistência Social) e Agetran (Agência Municipal de Trânsito). A audiência pública foi proposta pela vereadora Carla Stephanini (PMDB) e convocada pela Comissão Permanente de Segurança da Câmara.



E não é só nessa igreja não... praticamente todos os bares e casas noturnas em Campo Grande tem um flanelinha. Está impossível sair de casa sem ter que pagar 10~15 reais para não riscarem teu carro (e pra piorar, além de te tomar o dinheiro, quando vc volta, nem lá o tal cuidador não está mais). Daí alguém me responde para onde estão indo os impostos que eu pago.
 
Ronaldo Castor em 27/02/2014 10:48:07
Sei que tem flanelinhas bons caráter, mas a maioria é "sujo", é demais o brasileiro pagar milhões de impostos, área azul, etc... e ainda ter de desembolsar com esses caras!!!!!!! muitas vezes os mesmos chegam a estipular preços. Na praça do Papa, no show do Michel Teló cobravam R$10, preferi ir embora e esquecer do show!!!! Já na parte da manhã, na ruazinha lateral ao SUS, no Jardim dos Estados, a uma quadra do Habibs, um deles pediu para que estacionasse melhor o carro para sobrar mais vagas para ele lucrar mais!!! Poder Público A POPULAÇÃO PEDE ENCARECIDAMENTE: "TIRE-OS DAS RUAS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E DIREITOS HUMANOS, NÃO OS DEFENDA POIS QUEM RECLAMA TAMBÉM TEM DIREITOS!!!!!!!!!!!
 
Fernando de Sousa Machado em 27/02/2014 10:25:26
Perai, perai, a policia não falou que iria acabar com os flanelinhas? O que aconteceu? Não faz nem dois meses que eles prometeram que não teria mais flanelinhas....... a policia tá tão pé de chinelo assim que não consegue tirar os flanelinhas das ruas? O cidadão paga para não ter seu carro riscado, tá parando na rua, se tem o carro roubado o flanelinha some e se não sumir o que ele vai fazer também, isso tá errado, o comerciante vai começar a burlar os impostos porque a concorrencia não é justa, não basta os camelôs vendendo livremente nos terminais sem pagar um tostão de imposto, de água, luz, aluguel, funcionario, enfim, é concorrencia desonesta, quando o cidadão der um basta para as decisões do governo, aí a guerra estará instaurada, governantes acordem protejam que paga seu salario.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 27/02/2014 08:50:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions