A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

11/02/2014 11:59

Policial que matou motorista era amante de jovem, diz família

Viviane Oliveira
Segundo a família, o taxista é quem pagava o aluguel da casa para Brunielly morar. (Foto: Marcos Ermínio) Segundo a família, o taxista é quem pagava o aluguel da casa para Brunielly morar. (Foto: Marcos Ermínio)

A família do motorista Eliandro Ayala Antunes, 32 anos, disse que o policial era amante de Brunielly Dias Barbosa, 22 anos. Eliandro foi morto com dois tiros no peito ao arrombar a porta e dar de cara com a jovem junto com o PM, Geison Martins Soares, 34. O crime aconteceu por volta das 22h de ontem (10), na Rua Cabedelo, no bairro Guanandi II, em Campo Grande.

De acordo com uma sobrinha da vítima, que pediu para não ser identificada, Eliandro era taxista e havia alugado a casa para Brunielly morar. Ela disse que ontem à tarde o tio chegou a ir ao imóvel levar dinheiro para a jovem. “Eles estavam juntos ainda. O meu tio era apaixonado por essa mulher”, diz.

A sobrinha admite que Eliandro agiu errado em entrar com um simulacro de arma no local, mas afirma que o tio perdeu a cabeça. “Tudo isso é triste demais. Agora estão tratando ele como um marginal. No entanto, a história não é bem assim”, afirma, acrescentando que o tio deixou uma filha de 7 anos e uma mãe de 75 anos desesperada.

A mulher questiona também que a família, que mora na mesma região onde ocorreu o crime, não foi avisada na hora. “Nós ficamos sabendo quando um agente funerário ligou, por volta da 1h30 da madrugada”, reclama.

O caso - De acordo com o delegado que atendeu a ocorrência, Ivahir Luiz de Campos, o cabo da Polícia Militar agiu em legitima defesa, pois no momento do crime a vítima usava um simulacro de uma arma ponto 40.

Conforme a Polícia Civil, Eliandro arrombou a porta, invadiu a casa da jovem, que estava junto com o PM. Muito violento, o motorista empunhou o simulacro e disse que ia matar Brunielly, momento em que o policial atirou.

Depois que a vítima caiu, o PM pegou a arma e viu que se tratava de um simulacro. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e o Corpo de Bombeiros foram acionados e tentaram durante 30 minutos o procedimento de reanimação, mas o homem não resistiu e morreu no local.

O caso foi registrado como homicídio doloso na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), do bairro Piratininga.



o eliandro nunca foi um homem violento,jamais mataria ninguem,por mais que merecesse.esse pm que "agiu em legitima defesa"deveria atirar na perna e ñ atirar p/matar.ele ficaria feliz se soubesse que foi enxotado de casa por ñ poder mais bancar as vaidades da mulher que amava!?e já ter outro dentro da casa que ELE pagou,por exijência dela,3 alugueis adiantados e ainda ficou c/tds os móveis,moto
etc,etc!?e ainda deixar uma filha e mãe bem idosa sofrendo uma dor sem remédio!?coloquem-se no lugar delas e entenderão...deixo bem claro;MEU IRMÂO ^N ERA UM MARGINAL!!!!!!!
 
ezilda de lourdes em 13/02/2014 16:54:53
nossa que absurdo essa historia
 
shirlley do santos em 11/02/2014 23:07:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions