A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

06/01/2014 17:07

Prefeitura "descobre" causa e promete acabar com enchente no Anhanduí

Edivaldo Bitencourt
Ponte na Rua Bom Sucesso é causa de alagamento e será alargada (Foto: Cleber Gellio)Ponte na Rua Bom Sucesso é causa de alagamento e será alargada (Foto: Cleber Gellio)

A Prefeitura de Campo Grande “descobriu” a causa dos constantes alagamentos no entorno do Rio Anhanduí, que promovem transtornos a cada chuva para os moradores dos bairros Marcos Roberto e Nha-Nhá. Além de identificar o problema, nove equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação iniciaram a recuperação das ruas destruídas pela enxurrada no sábado (4).

Na noite de sábado, a chuva de 63,5 milímetros causou o transbordamento do Rio Anhanduí, que transformou a Avenida Ernesto Geisel em um “mar” e alagou residências e estabelecimentos comerciais. Até casas situadas a cerca de 100 metros da avenida foram tomadas pelas águas, causando pânico entre os moradores.

Um veículo Toyota Corolla ficou totalmente submerso entre as ruas Bom Sucesso e Ouro Negro. A chuva também deixou os veículos estacionados no Shopping Norte Sul Plaza cobertos pela água.

De acordo com o titular da Secretaria de Obras, Semy Alves Ferraz, o município conseguiu detectar a causa dos alagamentos na avenida. “Nós já detectamos o motivo da elevação das águas do Rio Anhanduí, no qual provocou a inundação da avenida Ernesto Geisel. É na ponte da rua Bom Sucesso com a avenida Ernesto Geisel. Vamos providenciar o alargamento da ponte para evitar futuros alagamentos”, garantiu, por meio da assessoria de imprensa.

A esperança dos moradores é o projeto de revitalização da Avenida Ernesto Geisel, entre a Rua Santa Adélia, no Bairro Coophama, e a Avenida Campestre, no Bairro Aero Rancho, que prevê investimento de R$ 43 milhões. O projeto foi lançado por Nelson Trad Filho (PMDB), que chegou a licitar a obra, e relançado em abril do ano passado por Alcides Bernal (PP).

Operários integram uma das nove equipes que estão recuperando a cidade após chuva de sábado (Foto: Divulgação)Operários integram uma das nove equipes que estão recuperando a cidade após chuva de sábado (Foto: Divulgação)

No entanto, o início da obra depende de nova licitação, já que a anterior foi cancelada. “Nós estamos com o projeto na Caixa Econômica Federal. Até 15 de janeiro este projeto será aprovado e licitado pela Prefeitura de Campo Grande e até abril nós pretendemos dar inicio às obras”, garante o secretário.

O secretário disse que a prefeitura já está providenciando junto ao Ministério da Integração a possibilidade de viabilizar recursos para solucionar problemas antigos de enchentes e alagamentos no Córrego Cascudo, nas imediações da Rachid Neder e também no Córrego Vendas. Estes problemas de inundações serão resolvidos como, por exemplo, da mesma forma como foi feito na avenida Spipe Calarge. “Com obras definitivas que possam suportar as águas das fortes chuvas”, assegura.

Restauração – A Prefeitura mantém equipes para restaurar a pavimentação em vários trechos da cidade. No início da manhã de hoje, as prioridades foram na rua Quintino Bocaiúva, esquina com rua Planalto; na avenida Salgado Filho esquina com rua Diana; avenida Salgado Filho, após o viaduto Hélio Macedo; e Carlota Lemos esquina com rua Orlando de Oliveira França, no Jardim Paradiso.



Vão gastar uma fortuna para refazer a tal ponte e não irá resolver o problema. E então vão botar a culpa em quem?? Ou em quê?? Resposta: a culpa vai sobrar para os moradores que construíram em áreas alagáveis... E que a prefeitura não foi capaz de remover no seu devido tempo, e agora que o bairro está consolidado, não tem mais o que fazer!
 
Leandro Moura em 13/01/2014 13:24:13
Eu moro hà anos no Marcos Roberto, não sou engenheira, e sei que na embaixo da ponte da bom sucesso existe uma imensa parede que impede a vazão da agua e que até funciona como muro de contenção das aguas que descem o corrego, opa rio anhandui. Gostaria de saber mesmo quando é que o senhor Semy irão colocar em pratica aquele projeto lindo e maravilhoso apresentado nesta mesmo jornal no ano passado (2013) heim.
Outra questão a ser vista é que não irá adiantar muito o alargamento da ponte como ele está dizendo, eu e outros moradores das imediações acreditamos que a ponte precisa ser elevada, e o leito desse rio ser aprofundado imediatamente, se não todo ele, pelo menos embaixo daquela bendita ponte.
 
ANA CONCEICAO em 07/01/2014 14:03:11
Incompetências dos obreiros e irresponsabilidades dos gestores são as principais causas dos alagamentos. Os segundos se danam para o dinheiro público e os primeiros não sabem nada de hidrologia ou fazem as "obras" seguindo orientação dos mandantes: não respeitam a natureza, cobrindo rios, aterrando nascentes e estuprando a cidade com péssimo asfalto. A própria população e, principalmente, a ribeirinha contribui com o caos: construção nos vales e lixo nas margens e leitos dos rios.
 
Oswaldo Rodrigues em 07/01/2014 08:48:42
Agora a culpa é da ponte!
Pelo que sei a culpa é das obras mal feitas pela administração anterior que joga cada vez mais água no leito do Anhanduí, como a tubulação que desce da região da Salgado Filho saindo em frente ao Shopping, isso junta com a falta de profundidade e largura suficiente para a água escoar, outro problema como já comentado, as pessoas não respeitam a lei de infiltração do solo e concretam suas calçadas e quintais jogando mais água nas ruas e as mesmas indo para os córregos da cidade, eu mesmo já denunciei várias situações dessas na SEMADUR a mais de um ano e nada foi feito, não há fiscalização e cumprimento dessa lei que obriga as calcadas e quintais terem áreas permeáveis, não adianta culpar uma ponte, isso é falta de competência, vontade e fiscalização mesmo.
 
Junior Ferreira em 07/01/2014 08:24:11
Esta equipe do Bernal que tampa buracos nas ruas acho que estão aprendendo agora porque onde eles tampam parece que vira um quebra mola depois, eles deixam o buraco mais alto que o nível da rua, ta ficando horrível.
 
Marcos Wild em 06/01/2014 18:57:28
EU QUE FOI CRIADO NA REGIAO JA SABIAMOS
POIS O CORREGO NA BOM SUCESSO SE TORNA COMO UMA REDUÇAO DE CANO
VEM EM UMA LARGURA E NA PONTE CHEGA QUASE A METADE
LOGICO QUE VAI VAZAR PELO LADRAO
 
MARCINDO PADILHA em 06/01/2014 18:33:19
Interessante, depois de mais de 12 anos, administradores descobrem agora as causas. Por que não fizeram antes?
 
Jorge Elias em 06/01/2014 18:20:19
Engano. A causa do problema é que desde a canalização do rio houve muito impermeabilização (construção de casas, edificios e *principalmente*: pavimentação) na cidade. Isso aumenta a parcela da chuva que desce rapidamente para o rio, em vez de infiltrar no solo. Com isso, onde antigamente uma chuva causou vazão Q, a vazão agora é o duplo ou triplo. E em vez de tomar medidas para segurar a água nos bairros (como as barragens no corrego Soter), muitas vezes engenheiros tentam fazer a água escoar mais rápido. O que não é possivel. Se a ponte realmente fosse a causa, deveria ser possivel detectar uma diferença de nivel de água entre antes e depois da ponte. A solução é implantar mais barragens, e fazer os limites de impermeabilização serem respeitados.
 
Marcos da Silva em 06/01/2014 18:10:34
...ELES DESCOBRIRAM...INCOMPETÊNCIA!!
 
Paulenir de Barros em 06/01/2014 17:49:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions