ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Prefeitura tenta mais uma vez cobrar taxa de iluminação, mas juiz barra

Município tentou ‘ressuscitar’ decisão que determinava a volta da Cosip, mas não conseguiu

Anahi Zurutuza | 01/11/2016 06:57
Taxa é aplicada na manutenção de postes (Foto: Alcides Neto)
Taxa é aplicada na manutenção de postes (Foto: Alcides Neto)

Apesar de ter sido derrotada duas vezes na Justiça, a Prefeitura de Campo Grande não desistiu de tentar derrubar a lei que garante a suspensão da taxa de iluminação pública por seis meses. Desta vez, o município tentou, em vão, “ressuscitar” ação que chegou a obrigar a Energisa a voltar a emitir da Cosip (Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública).

A Procuradoria-Geral do Município recorreu da decisão do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, que havia extinguido uma ação contra a Energisa.

Contudo, por enquanto, a estratégia não deu certo. O magistrado manteve a extinção do processo, mas remeteu o processo para instância superior. A prefeitura terá agora de gastar seus argumentos com o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Sede do TJMS, onde ficam desembargadores do Órgão Especial, que julga uma das ações sobre a Cosip (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)
Sede do TJMS, onde ficam desembargadores do Órgão Especial, que julga uma das ações sobre a Cosip (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

‘Guerra judicial’ – A “guerra” entre a Prefeitura de Campo Grande e a Câmara Municipal já motivou três ações judiciais.

O projeto de lei para interromper a cobrança da Cosip foi aprovado pelos vereadores de Campo Grande em maio, chegou a ser vetado pelo prefeito Alcides Bernal (PP), mas o veto foi derrubado pelo Legislativo, sendo sua promulgação assinada pelo presidente da Câmara, vereador João Rocha (PSDB), conforme publicado no Diogrande do dia 25 de julho.

Logo depois, a prefeitura, que considera a legislação inconstitucional, foi ao TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) para tentar derrubar a lei nº 285/2016. Mas, no dia 31 de agosto, os desembargadores negaram a liminar que pedia a volta da cobrança.

Depois de vários adiamentos do julgamento da ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) e antes do parecer final, alguns integrantes do Órgão Especial do TJMS já haviam manifestado que votariam contra o pedido da Prefeitura. Por isso, no dia 30 de agosto, o Executivo municipal entrou com ação civil pública pedindo que juiz da 1ª instância determinasse que a Energisa voltasse a emitir da taxa.

As contas de luz dos campo-grandenses voltaram a ser emitidas com a taxa de iluminação pública no dia 10 de setembro, mas deixou de ser cobrada novamente no dia 16 de setembro, depois que o juiz David de Oliveira voltou atrás.

A Câmara Municipal também entrou em cena. Nesta segunda-feira (12), o Legislativo ingressou com uma ação reclamatória no TJMS contra o juiz David de Oliveira. A própria Câmara, entretanto, pediu o arquivamento deste terceiro processo depois de tomar conhecimento da extinção da ação no primeiro grau.

Nos siga no Google Notícias