ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Presa em operação, servidora chamada de carniça diz estar "ansiosa e chateada"

Operaçao do Gaeco/Gecoc prendeu oito pessoas em investigação de fraudes em licitações

Por Silvia Frias e Ana Beatriz Rodrigues | 30/11/2023 08:29
Advogado Alexandre Franzoloso, que representa a pregoeira Simone de Oliveira (Foto: Paulo Francis)
Advogado Alexandre Franzoloso, que representa a pregoeira Simone de Oliveira (Foto: Paulo Francis)

A movimentação de advogados começou cedo na sede do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), onde serão interrogados suspeitos de envolvimento em fraudes em licitações e testemunhas, em caso deflagrado na Operação Turn Off.

O único advogado que falou com a imprensa disse que sua cliente presa na ação, a servidora Simone Ramires de Oliveira Castro, está "ansiosa e chateada". Lotada no setor de licitações do Governo de Mato Grosso do Sul, era chamada de “carniça” por pressionar por “alguma coisinha para ela”, conforme a investigação.

Hoje, serão ouvidos os investigados na operação que não foram detidos, entre eles, empresários e o ex-titular da Secretaria Estadual de Saúde, Flávio Britto, atual adjunto da Casa Civil. Amanhã, estão previstos os depoimentos dos oito presos na ação, desencadeada em conjunto pelo Gaeco e Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção).

Advogado Marcos Barbosa (terno) chega com homem que irá prestar depoimento (Foto: Paulo Francis)
Advogado Marcos Barbosa (terno) chega com homem que irá prestar depoimento (Foto: Paulo Francis)

Foram presos: o secretário adjunto Édio Antônio Resende de Castro; Simone de Oliveira Castro Ramirez, pregoeira da SAD (Secretaria Estadual de Administração); a assessora da SED (Secretaria Estadual de Educação), Andrea Cristina Souza Lima; o ex-superintendente de Comunicação, Thiago Mishima; o diretor da Apae, Paulo Henrique Muleta de Andrade; e os empresários Sérgio Duarte Coutinho Junior e Lucas de Andrade Coutinho

A maioria dos advogados que entraram no Gaeco não quis falar sobre o caso. Marcos Barbosa, que ontem se identificou como representante de Sérgio Duarte Coutinho, disse que ainda não falaria sobre o que não teve acesso.

Na saída, o advogado Gilson Freire, acompanhado de cliente, que seria dono de empresa, somente comentou que ele prestou depoimento “e não ficou em silêncio”.

O advogado Anthony Martinez, que representa Thiago Haruo Mishima, já tem informações da decisão do juiz, o que “dá margem para gente trabalhar agora”. Segundo ele, a prisão dele é infundada e não há evidências de envolvimento em fraude. Diz que hoje deve entrar com pedido de habeas corpus.

O advogado Élcio Paz, que representa uma das empresas investigadas na Turn Off, também foi objetivo e disse que não irá falar. Gilson Freire também evitou falar com a imprensa.

Já Alexandre Franzoloso, que representa Simone de Oliveira, disse que o inquérito foi liberado ontem, no fim da tarde, e está sendo avaliado. A cliente dele está agendada para ser ouvida amanhã, às 9h e, por isso, decidiu que não entrará com habeas corpus hoje, à espera desse depoimento. Contou que a cliente “está ansiosa e chateada”, por ser funcionária pública há 30 anos e que está à disposição da Justiça.

Pela investigação, o grupo trabalhava para fraudar licitações em contratos das secretarias estadual de Saúde e Educação. Segundo o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), o valor desviado, identificado até agora, é de R$ 68 milhões.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias