A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Agosto de 2019

22/07/2019 14:05

Presidente da Assomasul cobra atualização dos valores para saúde da família

Caravina lembrou, durante o evento com o ministro Luiz Henrique Mandetta, que o repasse para o programa nunca foi atualizado

Geisy Garnes
Caravina fala durante o evento nesta manhã (Foto:Edson Ribeiro/ Assomasul)Caravina fala durante o evento nesta manhã (Foto:Edson Ribeiro/ Assomasul)

Durante o evento com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, na manhã desta segunda-feira (22), o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina, cobrou atualização dos valores para manutenção do ESF (Estratégia Saúde da Família) nos municípios de Mato Grosso do Sul.

Mandetta veio a Capital nesta manhã para o lançamento do programa “Saúde na Hora”, que vai dobrar o repasse de recursos às unidades de saúde da família que ampliarem o horário de atendimento.

Caravina aproveitou a oportunidade e ressaltou o empenho do ministro e do presidente Jair Bolsonaro em liberar recursos para investimento na área de saúde pública como parte de emendas parlamentares referentes a 2017 e 2018, além de verbas atrasadas na área de atenção básica e custeio, mas destacou também que o valor para a manutenção do ESF nunca foi atualizado.

“Hoje os municípios deveriam gastar 15% obrigatórios com saúde, mas não existe quase nenhum deles que gasta menos que 25%, nós estamos fazendo inclusive atenção especializada, estamos gastando muito com isso”, ponderou Caraina, em nome dos cerca de 20 prefeitos e prefeitas que participaram do ato.

Segundo o presidente da Assomasul, apesar das dificuldades decorrentes da crise e do encolhimento da receita, causado principalmente pela queda do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), as prefeituras são obrigas a custear as despesas do setor.

“Hoje o município recebe de R$ 7 mil a 10 mil pelo ESF, mas na verdade gasta de R$ 40 a 50 mil para pagar médico, enfermeiro, dentista, auxiliar de enfermagem, enfim toda a equipe, que é obrigatório”, afirmou.

Ainda assim, Caravina lembrou a importância da liberação das verbas que estavam “represadas” há quase três anos para as áreas de atenção básica dos municípios.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions