A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

14/05/2018 18:00

Preso professor suspeito de estuprar 3 alunos em escola na Piratininga

Suspeito foi levado para a DEPCA nesta segunda-feira em cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido na semana passada

Humberto Marques e Izabela Sanchez
Professor foi alvo de mandado de prisão na sexta-feira, detenção ocorreu nesta segunda; acusado nega crimes. (Foto: Izabela Sanchez)Professor foi alvo de mandado de prisão na sexta-feira, detenção ocorreu nesta segunda; acusado nega crimes. (Foto: Izabela Sanchez)

Foi preso nesta segunda-feira (14) o professor de 59 anos suspeita de abusar sexualmente de três alunos em uma escola municipal na Vila Piratininga, sul de Campo Grande. O acusado foi levado há pouco para a DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), de onde será encaminhado para uma cela na Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos) e, depois, para uma unidade prisional da Capital.

O mandado de prisão preventiva foi expedido ainda na sexta-feira (11), quatro dias depois de o caso vir à tona –as informações sobre a denúncia foram divulgadas em 7 de maio– e cumpridos nesta segunda. Segundo o delegado Fábio Sampaio, a detenção foi baseada em depoimentos das três crianças que seriam vítimas dos abusos. Contudo, “os três relatos remetem a outros quatro, sobre os quais vão ser instaurados inquéritos para apuração”, frisou.

O advogado do professor, Ronaldo Franco, esteve na DEPCA e reforçou que seu cliente nega todas as acusações. Ele destacou que o suspeito atuou por anos na rede pública estadual, nunca sendo alvo de acusações do gênero.

“Ele é professor aposentado do Estado. Ninguém vira pedófilo da noite para o dia, não tem meio termo”, destacou Franco.

O caso – O professor da rede municipal de ensino é suspeito de ter estuprado pelo menos sete crianças com idades entre 11 e 13 anos. As denúncias chegaram à Polícia Civil em março, dando início às investigações. O professor prestou depoimento em 7 de maio à DEPCA, negando as acusações. Como não houve flagrante, ele foi liberado.

As denúncias partiram das famílias de dois meninos e uma garota, todos alunos de uma escola na região do Piratininga. Segundo eles, os abusos aconteciam sempre que pediam algum tipo de orientação. Segundo disse Sampaio à época, o professor passava a mão nos alunos ou fazia com que eles tocassem suas partes íntimas.

O assédio também acontecia quando as crianças ficavam de recuperação, pontuou o delegado, quando elas ficavam sozinhas com o suspeito. O professor ainda residiria próximo à casa de um dos alunos, usando da oportunidade e de uma “relação de amizade” para abusar dele. Segundo as vítimas, outras quatro meninas seriam vítimas do acusado.

O professor já havia sido indiciado por estupro de vulnerável nos três casos. A Secretaria Municipal de Educação havia afastado o profissional preventivamente e aberto processo administrativo sobre o caso. Ele atuava na mesma escola há 20 anos e, até então, não havia acusações contra ele. Uma equipe psicossocial foi mobilizada para atender às crianças.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions