ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 13º

Capital

Problema de saúde de advogados muda júri por execução de delegado

O crime foi em junho de 2013, mas só voltou a andar neste ano, após decisão do Superior Tribunal de Justiça

Aline dos Santos | 31/05/2018 08:48
Julgamento de um dos réus foi transferido para o mês de agosto.
Julgamento de um dos réus foi transferido para o mês de agosto.

O julgamento dos réus pela execução do delegado aposentado Paulo Magalhães Araújo teve nova mudança de data. O crime foi em junho de 2013, mas só voltou a andar neste ano, após decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Primeiro, o juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Aluízio Pereira dos Santos, definiu que o guarda municipal José Moreira Freires e Antônio Benitez Cristaldo seriam julgados no próximo dia 21 de junho. Mas, o advogado Rene Siufi, que defende José Freires, informou que tinha viagem internacional agendada na data e pediu a reagendamento para agosto.

O magistrado, então, antecipou o júri popular para o dia 8 de junho. Contudo, Siufi anexou ao processo informação de que sofreu uma queda, teve fratura no nariz e terá que passar por cirurgia. Desta forma, o juiz transferiu o julgamento de José Freires para 15 de agosto, enquanto que o júri de Antônio Cristaldo foi marcado para 21 de junho.

Porém, o processo pode ter nova alteração de data. Na última terça-feira (dia 29), a advogada Nabiha Maksoud, que atua na defesa de Antônio, informou ao magistrado que sofreu acidente doméstico, teve fratura na mão, e passaria por cirurgia ontem. A recuperação vai exigir um mês e a advogada pediu o adiamento do júri popular. O juiz ainda não avaliou a solicitação.

Denúncia - De acordo com o MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), José, que era garupa de uma motocicleta, efetuou diversos disparos de revólver contra o delegado aposentado, que estava na rua Alagoas, no Jardim dos Estados, em Campo Grande.

Já Antônio foi acusado de fazer escolta em um carro para garantir o sucesso da execução.
Ainda conforme a denúncia, o condutor da motocicleta era Rafael Leonardo dos Santos.

O corpo dele foi encontrado no lixão, na saída para Sidrolândia. A vítima foi decapitada e a identidade foi esclarecida por meio de exame de DNA. Não houve identificação do mandante do crime de pistolagem.

Nos siga no Google Notícias