A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

09/05/2013 08:08

Professores discutem reajuste e aulas são suspensas em escolas

Aline dos Santos e Viviane Oliveira
Na escola Arlindo Lima, aulas não foram suspensas. (Foto: Marcos Ermínio)Na escola Arlindo Lima, aulas não foram suspensas. (Foto: Marcos Ermínio)
Quinta-feira sem aulas na escola Bernardo Franco Baís. (Foto: Marcos Ermínio)Quinta-feira sem aulas na escola Bernardo Franco Baís. (Foto: Marcos Ermínio)

A discussão do reajuste salarial, debate que se arrasta entre professores e a Prefeitura de Campo Grande, suspendeu as aulas em parte das escolas municipais nesta quinta-feira.

Na escola Geraldo Castelo, na rua Padre João Crippa, teve aluno que deu com cara na porta. O aviso aos pais e estudantes foi dado ontem. Mas quem faltou na quarta-feira perdeu a viagem hoje.

O instalador de acessórios Sergio Francisco de Souza, de 31 anos, levou o filho de seis anos para a escola. Sem aula, vai retornar para a casa, no bairro Guanandi, e deixar a criança com a avó. “Não tenho receio que a escola entre em greve, acredito que o hoje os professores irão entrar em acordo”, afirma o pai.

Professora de escola Darilza Carla Borges, de 40 anos, também levou a filha Isabelly, aluna do primeiro ano, à escola. Ela conta que não soube da paralisação porque a menina não foi ontem ao colégio. “É um direito dos professores, é a única forma de eles lutarem pelos direitos, em busca de melhores condições de trabalhos e salários”, defende.

Na escola Arlindo Lima, na Barão do Rio Branco, não houve interrupção das aulas. Já na escola Bernardo Franco Baís, as aulas foram suspensas.

Hoje, os professores realizam nova assembleia na ACP (Sindicato Campograndense dos Profissionais da Educação) para a avaliar a proposta da Prefeitura. Nesta semana, eles invadiram o Paço Municipal.

O protesto é porque eles exigem reajuste de 31,68%, para elevar o piso da categoria para R$ 1.567 por 20 horas semanais. A Prefeitura aceita pagar até maio de 2015. A nova proposta dos professores é atingir o piso até maio de 2014.

 



Acho que como dificilmente o poder público colabora com a sociedade, quando é algo que não irá lhes favorecer, como aumentar o salário dos professores, e como futura profissional da educação, apoio a atitude dos professores que tem uma luta todos os dias na sala de aula, contra uma educação cada vez mais precária nesse país, "tentando" ensinar filhos que já saem de casa com o mínimo de educação dado pelos pais.
 
Karen Natalie em 09/05/2013 08:22:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions