ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  16    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Promotor diz que vai entrar com ação contra organização de show

Fiscalização da promotoria flagrou cinco adolescentes embriagados durante show do David Güetta

Por Paula Maciulevicius | 17/11/2012 10:29
Show excedeu o horário estabelecido pelo alvará e Promotoria vai entrar com ação por desobediência. (Foto: João Garrigó)
Show excedeu o horário estabelecido pelo alvará e Promotoria vai entrar com ação por desobediência. (Foto: João Garrigó)

A Promotoria da Vara de Infância e Juventude retirou cinco adolescentes embriagados do show do DJ David Güetta, realizado na madrugada deste sábado, no Jockey Club, em Campo Grande. O promotor Sérgio Harfouche afirmou que a organização do evento vai responder por falsidade ideológica e desobediência de ordem judicial.

Foram 35 fiscais da promotoria, junto do promotor Sérgio Harfouche para controlar a entrada de adolescentes, que só poderiam assistir ao show acompanhados dos pais ou responsáveis ou com autorização em firma reconhecida, desde que a organização fiscalizasse o cumprimento da lei que proíbe a venda de bebida para menores.

Segundo o promotor, os pais dos adolescentes que foram retirados da festa assinaram o termo de compromisso de que vão comparecer à Promotoria. A ideia inicial era de levar os adolescentes até o Ministério Público Estadual, onde uma base foi montada, mas devido ao trânsito na região, os pais foram acionados até o local do show.

“Nós atendemos ali mesmo. Teve mãe desesperada para levar filho para o hospital em coma. Enquanto a mãe não chegava, eles não saíam. Só autorizei entregando para a mãe”, ressalta o promotor.

Neste caso, Harfouche explica que os pais não serão responsabilizados porque eles cumpriram com o alvará e deram autorização aos filhos. “Os pais propriamente não estavam lá, eles cumpriram com o alvará dando a autorização. Quem infringiu foi o organizador, porque eles foram avisados”, reforça o promotor em relação a ingestão de bebidas alcoólicas pelos adolescentes.

“Eles escancararam bebida alcoólica pra menores. Peguei adolescente em coma e inclusive me veio a denúncia de que alguns estavam trabalhando no bar”, completou Harfouche.

O promotor disse ainda que a organização da festa vai responder pelos crimes. “Eu vou encaminhar a denúncia. Ninguém é contra a diversão, mas que faça com responsabilidade, não minta para o Estado, não minta para a Polícia”.

“Teve mãe desesperada para levar filho para o hospital em coma. Enquanto a mãe não chegava, eles não saíam”, declarou promotor da Infância e Juventude, Sérgio Harfouche. (Foto: Arquivo)
“Teve mãe desesperada para levar filho para o hospital em coma. Enquanto a mãe não chegava, eles não saíam”, declarou promotor da Infância e Juventude, Sérgio Harfouche. (Foto: Arquivo)

Na área criminal, Harfouche explica que a Move pode responder por desobediência, porque o alvará que permitia a entrada de adolescentes, estabelecia que a festa deveria terminar as 4h. No entanto, o show se avançou até 5h. E também por declaração falsa em documento público, por informar à Promotoria e ao Juizado da Vara de Infância e Juventude, primeiramente que o público esperado era de 7 mil pessoas e depois, dois dias antes do evento, que a expectativa era de 12 mil pessoas. A pena prevista para os crimes, conforme o promotor, é de um a cinco anos de cadeia.

O promotor relata que ontem avisou os organizadores desde as 20h de que o show teria de ser encerrado às 4h. Ainda durante a madrugada, ele novamente procurou a organização que informou que o DJ entraria no palco as 3h e que se passasse do horário, iriam retirar os adolescentes.

“Quando deu 4h, tinha mais gente do lado de fora. O número de seguranças era insuficiente. Eu mandei ofício para os hospitais para me informar cada adolescente que deu entrada em coma e eu vou tomar providência”, declarou.

O promotor disse ainda que a organização poderá ter de indenizar o Estado devido ao número de policiais militares que foram deslocados para o evento. Inicialmente, 25 policiais foram colocados para trabalhar no Jóquei Clube, no entanto, conforme relato do promotor, o excedente de público fez com que efetivo aumentasse.

“Eles terão de indenizar por conta dessa situação. A Polícia e o Estado não estão lá para enriquecer o bolso de ninguém. Só espero que o Tribunal de Justiça, em caso de recurso, não banalize a própria Justiça”, completou Harfouche.

Sobre o horário ter ultrapassado o limite imposto no alvará, a assessoria jurídica confirma e diz que por questões de segurança, a festa não foi interrompida. “Infelizmente não deu para encerrar no horário, deu 4h e o DJ ainda estava tocando e não tinha como parar. Era um evento muito grande, foi pela própria segurança, as saídas poderiam ser perigosas”, declarou o advogado da Move, Fábio de Melo Ferraz.

A retirada dos cinco adolescentes embriagados, não chegou ao conhecimento da organização, segundo informou o advogado que disse ainda que o Ministério Público Estadual estava lá justamente para fiscalizar em conjunto com toda a equipe de organização.

Em relação a alegação do promotor de que a Move declarou falsidade em documento público, o advogado contesta. “Em momento algum foi declarada falsidade. O alvará foi requerido em cima da estimativa de público que até o início da semana, a Move vendeu aproximadamente 12 mil convites”, respondeu Fábio.

A assessoria jurídica da Move também nega que os adolescentes que tenham consumido bebida alcoólica compraram dentro do evento. “Tanto o caixa como o bar foram instruídos para não vender bebida alcoólica para menor. Com certeza a Move não vendeu e que se apure o fato de como foi que eles conseguiram beber”.

A informação de que havia adolescentes trabalhando até no bar também foi contestada pelo advogado que afirmou que a organização deu todo suporte para que o Ministério Público fiscalizasse.

Por fim, o advogado ressaltou que o Ministério Público tem o direito de entrar com a ação e que a Move vai aguardar o posicionamento e fazer a defesa.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário