ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  20    CAMPO GRANDE 14º

Capital

Réu por ordenar execução, "Mistério do PCC" tem habeas corpus negado

Eder de Barros Vieira está preso desde junho do ano passado pela morte de "Alemãozinho"

Por Marta Ferreira | 11/05/2021 16:40
Eder de Barros vieira, o "Mistério do PCC", teve liberdade negada por desembargadores.
Eder de Barros vieira, o "Mistério do PCC", teve liberdade negada por desembargadores.

Em decisão desta tarde, a 2ª Câmara Criminal do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou, por unanimidade, a liberação de Eder de Barros Vieira, 38 anos, conhecido como “Mistério do PCC”, na cadeia há quase um ano. Ele é réu em processo criminal como a pessoa que ordenou o “tribunal do crime”, execução sumária, de Sandro Lucas de Oliveira, 24 anos, desaparecido em 8 de dezembro de 2019, e dado como morto só sete meses depois, quando os restos morais foram achados.

O preso passou anos agindo como liderança da facção PCC (Primeiro Comando da Capital) no Estado, sem ser identificado. Sua ligação com a morte de Sandro Lucas, o “Alemãozinho”, foi apontada pela investigação da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios), em junho de 2020.

Com base no inquérito, o promotor Douglas Oldegardo dos Santos denunciou “Mistério” e mais quatro pessoas à 2ª Vara do Tribunal do Júri, cujo titular, Aluizio Pereira dos Santos, acatou a peça e sentenciou o grupo ao júri popular.

A defesa de Eder de Barros Vieira, a cargo do advogado Éverlin da Silva, entrou com recurso em sentido estrito, alegando falta de provas contra o cliente. O juiz enviou o pedido para o segundo grau, que ainda não analisou.

Ao mesmo tempo, o defensor protocolou habeas corpus com pedido de liberdade provisória. Conforme alega, o cliente está preso sem motivação suficiente para isso e deveria responser à ação fora da prisão.

Os desembargadores da 2ª Câmara Criminal julgaram o pedido hoje e entenderam de forma diferente, que há sim requisitos suficientes para manter o réu preso até o julgamento.

 A denúncia lista depoimentos e outros elementos probatórios contra o acusado, obtidos na fase policial.

Segundo os autos, o próprio Eder afirmou ser da facção criminosa e os outros envolvidos o apontaram como um dos chefes do PCC fora da prisão.

Transferido - Até o dia 11 de abril, “Mistério”, ou “Deus da Guerra”, alcunhas atribuídas a Eder por ele mesmo, estava na ala separada aos presos do PCC (Primeiro Comando da Capital no EPJFC (Estabelecimento Penal de Jair Ferreira de Carvalho), a “Máxima”, na saída para Três Lagoas.

Nessa data, foi levado para o presídio fechado da Gameira I, a “Supermáxima”, na saída de Sidrolândia.

Ao todo, são cinco réus pela morte de “Alemãozinho”. Além de Eder de Barros Vieira, foram mandos a júri popular Sidnei Jesus Rerostuk, Rafael Aquino de Queiroz, Adson Vitor da Silva faria e Eliezer Nunes Romero.

Todos estão presos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário