ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 35º

Capital

Sindicato quer sequestro de bens para pagamento de R$ 12 mi a terceirizados

Senalba reclama que por conta da determinação judicial funcionários ficaram sem o 13º salário e sem receber os direitos trabalhistas

Yarima Mecchi | 25/12/2016 11:28

O Senalba (Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional no Estado de Mato Grosso do Sul) declarou por meio de nota que dos 4,3 mil terceirizados, 180 contratados pela Omep-MS (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar de Mato Grosso do Sul) e S.S.C.H-CG (Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária) não foram encontrados pelo MPE (Ministério Público do Estado) nos lugares de trabalho.

"Como não os encontrou, porque não eram lotadas nos Ceinf (Centro de Educação Infantil) e outros órgãos vinculados ao convênio, reputou-os como “fantasmas”, mas que poderiam estar “cedidos” para a administração do Município ou “cedidos” para Vereadores, desvirtuando-se os objetivos do convênio", diz a nota.

O sindicato reclama que por conta da determinação judicial de extinguir os contratos das organizações com a Prefeitura de Campo Grande, os trabalhadores ficaram sem o 13º salário e sem receber os direitos trabalhistas.

"Nesse combate à corrupção não se fala em sequestro de bens ou de valores das entidades conveniadas, de seus diretores, Prefeitos ou Vereadores, mas apenas no sequestro do salário e do 13º salário dos hipossuficientes, que dependem do fruto do trabalho de cada dia para sobreviver".


Ainda de acordo com a nota divulgada, o valor das rescisões trabalhistas passam de R$ 12 milhões. O Senalba pontua ainda que a contradição jurídica que permite o pagamento do 13º salário aos 916 servidores de assistência social, mas deixa de pagar aqueles que foram dispensados.

Rompimento – Na tarde desta sexta-feira (16), a prefeitura publicou no Diário Oficial do Município o anúncio do rompimento imediato dos convênios com a Omep e com a Seleta, entidades que terceirizavam mão de obra e serviços para a administração municipal, mas que se afundaram em denúncias relacionadas à contratação irregulares e desvios de dinheiros dos cofres municipais.

Por meio do comunicado oficial, o Executivo municipal também proíbe que os terceirizados tenham “acesso a toda e qualquer repartição pública, onde desempenhavam suas funções”.

A pedido do MPE, o juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, determinou na quinta-feira (15) o fim dos contratos.

A decisão foi tomada três dias depois que força-tarefa comandada pelo Gaeco deflagrou operação e prendeu três pessoas – dentre elas a presidente da Omep, Maria Aparecida Salmaze – ligadas a suposto esquema de desvio de dinheiro dos cofres municipais por meio das entidades classificadas pelo MP como “indústria de fantasmas”.

Também foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e sete de condução coercitiva. Para substituir os 4 mil demitidos, o MPE recomendou que a prefeitura faça contratos temporários com trabalhadores que ocupem cargos em unidades que oferecem serviços essenciais. O prefeito eleito Marquinhos Trad (PSD) estuda a alternativa.

Confira a galeria de imagens:

  • Sindicato publicou nota na sua página do Facebook. (Foto: Reprodução/Facebook)
  • Sindicato publicou nota na sua página do Facebook. (Foto: Reprodução/Facebook)
  • Sindicato publicou nota na sua página do Facebook. (Foto: Reprodução/Facebook)
Nos siga no Google Notícias