A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

13/01/2014 10:30

Solução de alagamento em quatro bairros depende de sol, afirma Semy

Kleber Clajus
Jockey Clube é um dos bairros que pode ser beneficiado com obra de drenagem que depende apenas de tempo estável para ser concluída (Foto: Cleber Gellio / Arquivo)Jockey Clube é um dos bairros que pode ser beneficiado com obra de drenagem que depende apenas de tempo estável para ser concluída (Foto: Cleber Gellio / Arquivo)

A solução para o alagamento em quatro bairros de Campo Grande depende de sol e tempo estável para que obras de drenagem possam ser concluídas. A afirmação é do secretário Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Semy Ferraz. Integram a lista Marcos Roberto, Jardim Paulista, Jockey Clube e Vila Nhá Nhá, que têm sido castigados pela chuva dos últimos dias com carros e residências sendo invadidos pela água.

De acordo com Semy, uma obra de drenagem na região, que compõe o Complexo do Cabaça, já está 85% concluída. No entanto, para ter funcionalidade dois pontos ainda precisam ser interligados e o “tempo precisa ajudar”.

“Enquanto não interligar os pontos da Fábio Zahran e Costa e Silva, próximo ao Terminal Morenão, qualquer chuva de 20 mm, em período de 15 a 20 minutos, será suficiente para causar problemas. Estamos trabalhando para que se der sol possamos realizar intervenções e concluir os trabalhos em no máximo 60 dias”, explica o secretário.

Semy ressalta ainda que grande parte do problema na região é decorrente da ausência de rede de drenagem quando o bairro foi loteado, em especial no Jardim Paulista. Com a intervenção, a água da chuva será desviada para a parte alta dos bairros e seguirá até o Ouro Verde, desaguando no Rio Anhanduí.

No entanto, se o tempo colaborar, tanto a Fábio Zahran quanto a Costa e Silva seriam interditadas para obras. O recurso destinado a drenagem na região, orçado em R$ 9 milhões, provem do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento) e está a cargo da empresa Pactual a execução da obra.

Norte-Sul – Outro ponto crítico que tem sido alvo de intervenções da Prefeitura diz respeito ao trecho da Avenida Ernesto Geisel, entre as avenidas Salgado Filho e Manoel da Costa Lima, onde as margens do Rio Anhanduí têm desbarrancado, prejudicando o trânsito na via. Ações emergenciais já foram adotadas, como foi o caso na Rua Xavier de Toledo, para que o tráfego não fosse interrompido.

“É uma obra complexa. Não fazer a obra emergencial teria custado mais caro e neste local ainda tempos uma ponte na Rua Bom Sucesso que faz efeito de barragem e vamos ter que alargar as laterais. As intervenções serão feitas com recurso federal do PAC 2 e a perspectiva é de que a obra tenha inicio em abril, com licitação lançada ainda em janeiro”, pontua Semy.

A obra tem custo aproximado de R$ 47 milhões e envolve não apenas a correção na estrutura da ponte, mas revitalização da Avenida Ernesto Geisel, entre a Rua Santa Adélia, no Bairro Coophama, e a Avenida Campestre, no Bairro Aero Rancho.

De acordo com Semy, a intervenção ainda deve incorporar o recapeamento das vias, área de caminhada e quadras esportivas às margens do Rio Anhanduí, porém será novamente licitada após alteração, em abril, no projeto inicial e o consequente abandono da empresa que executaria os serviços em outubro.

Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...


verdade depende do sol estaiou acabo o problema
 
vanderlei marques em 13/01/2014 13:35:04
Lamentável é que as obras públicas emergenciais demoram a ser realizadas, passa governo vem e vai governo e o povo fica a mercê dos descasos. É assim, a obra que seria a rodoviária de Campo Grande, e que passou Três governantes, até que por fim, construída outra em outro lugar, gastou-se bilhões e ainda não deram termino a que hoje ainda está em obras para outros fins.
Isto tudo é uma calamidade pública, bem maior que as da natureza.
Sem falar em uma estrutura que seria o maior obra de esporte que está apodrecendo na Av. Engenheiro Amélio Carvalho Baís, dizem que é obra do Governo Federal, mas com interveniência do Estado, e olha que começou no Governo Zeca do PT há 15 anos.
 
Roberto Mendes Motta em 13/01/2014 13:19:37
A obra de microdrenagem no Jardim Paulista se arrastou ao longo de 2013 inteiro... Ninguém avisou aos "fiscais" da prefeitura que nosso verão é chuvoso? Obras de drenagem tem que se licitar em janeiro/fevereiro, para fechar contrato antes de março, iniciar em abril, com "todo o gás", para ficar pronta até setembro, no máximo! Passou disto, estou jogando nosso dinheiro fora, porque o serviço ficará mal feito! Igual aos do nosso último prefeito, que não resistem a primeira chuva. E o sucessor dele tá indo pelo mesmo caminho... Aff
 
Leandro Moura em 13/01/2014 13:19:03
e o bairro nova esperança nada né vcs só ólham para os bairros asfaltado ja aqui no bairro a população pede socorro e vcs não falam nada vcs só encherga o q vcs querem nosso bairro tem mais de 20 anos e continua sem asfalto e sofrendo com o barro e a poeira obrigado pelo apoio
 
Renato pinheiro sidrins em 13/01/2014 12:27:21
Passamos por um período de sol intenso, doia na pele e agora eles vem dizer que a solução é sol, agora que começou a chover? Precisamos de profissionais no poder público, de engenheiros de verdade, de pessoas que queiram trabalhar e resolver os problemas do municipio.
 
maximiliano nahas em 13/01/2014 12:20:54
ENGRAÇADO SENHOR SEMY PORQUE NÃO FEZ ENTÃO NA ÉPOCA DA SECA TODOS OS ANOS SÃO ASSIM ISSO SÓ PARA PEDIREM MAIS DINHEIRO E O POVO FICA COM CARA DE PALHAÇO
 
CLAUDINEI BRAZ DE LIMA em 13/01/2014 12:19:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions