ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 28º

Capital

TJ abre inscrições para curso à distância que vai discutir violência doméstica

A formação é uma parceria entre a Escola Judicial de Mato Grosso do Sul e a Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar

Por Izabela Sanchez | 19/10/2017 13:42

O TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) chama a população, até o dia 27 de outubro, para participar da formação “Atenção à mulher em situação de violência”, desenvolvido pela Escola Judicial de MS e a Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, em parceria com o Poder Executivo estadual.

O curso começa no dia 30 de outubro, integra o programa emPENHAdas pela Saúde e terá 40 horas/aulas, totalmente no formato de Ead (Educação à Distância).

"A metodologia é dividida em quatro módulos, sendo eles: Formas de violência contra a mulher, aspectos psicológicos, sociais e jurídicos; Políticas públicas para o enfrentamento da violência contra a mulher; Redes de atenção, violência sexual e planejamento familiar e Boas práticas em obstetrícia", explica a assessoria de imprensa do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Formato

Conforme explica a assessoria de imprensa do Tribunal, a formação à distância é voltada a toda a comunidade, em especial aos profissionais que atuam no atendimento à mulher vítima de violência.

"Em cada módulo, o participante deverá assistir a Web Aula, estudar os materiais disponibilizados no ambiente virtual e resolver um estudo de caso. Para receber a certificação ao final do curso, os participantes deverão participar de todas as atividades disponíveis nos módulos", orienta o Tribunal

EmPENHAdas pela Saúde - O programa é resultado da parceria estabelecida entre o TJ-MS, por meio da Ejud-MS (Escola Judicial) e da Coordenadoria da Mulher, e o Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Saúde, Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres, Superintendência de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (Telessaúde), além da Maternidade Cândido Mariano.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário