A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

03/03/2015 23:45

TJMS garante posse de imóvel a entidade que atende crianças carentes

Alan Diógenes

Os desembargadores da 5ª Câmara Cível negaram, de forma unânime, provimento a recurso interposto por um centro de reabilitação de dependentes químicos da Capital em face de uma entidade filantrópica que atende crianças carentes.

O centro de recuperação teria cedido um espaço na área onde mantinha as atividades relacionadas à reabilitação para que a entidade desenvolvesse atividades com crianças carentes, e afirma que teve suas instalações dilapidadas, o que teria motivado o pedido para que esta devolvesse o imóvel. Não conformada com o pedido, teria incendiado a biblioteca, além de destruir outras dependências das instalações.

Informou que a entidade filantrópica criou o projeto com a intenção de tomar a área do centro de reabilitação, que as atividades desenvolvidas podem ser feitas em qualquer outro espaço, não justificando a alegação de que o projeto vai acabar se não for utilizada parte da área da propriedade do centro, pois o fato de uma instituição mudar de endereço não quer dizer que vá deixar de existir.

Argumentou ainda que todas as alegações feitas pelo município de Campo Grande, responsável pela doação da área onde está situado o centro de reabilitação, se deram sem a instauração do contraditório e da ampla defesa, não tendo sido sequer instaurado procedimento administrativo para averiguar as denúncias. A ação ajuizada para reaver o imóvel teria apenas laudo unilateral de assistente social.

Mas segundo um relatório feito pela Secretaria Municipal de Políticas e Ações Sociais e Cidadania, após uma visita ao local realizado em outubro de 2014, a fim de constatar possíveis irregularidades, revelou que as condições de higiene e organização da instituição estavam inadequadas para o tratamento de dependentes químicos, pois o local estava sujo, não tinha camas, vidros das janelas estavam quebrados e a cozinha desativada.

Para o relator do processo, desembargador Vladimir Abreu da Silva, havendo divergência em relação ao real estado em que se encontra o local utilizado para prestação de serviços de recuperação de dependentes químicos, deve ser preservada a função social da propriedade que, no caso específico dos autos, se restringe à parte do imóvel que está sendo utilizado pela associação filantrópica para oferecimento de aulas de artes marciais a 150 crianças e adolescentes.

“Está se preservando, no momento, a coletividade, representada pelas crianças e jovens do projeto, que retira das ruas estes menores a fim de que possam praticar um esporte, mantendo-os longe das drogas e do álcool. (…) Ante o exposto, conheço do recurso, mas nego-lhe provimento”, finalizou o magistrado.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions