A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 19 de Abril de 2019

05/02/2019 15:31

Três anos após ser condenado por homicídio, eletricista é preso na Capital

Valdir Queiroz havia sido condenado por matar a tiros e quase degolar José Carlos da Silva

Silvia Frias e Guilherme Henri
Investigadores fizeram monitoramento por dois dias e prenderam o réu no Jardim Colibri (Foto: Guilherme Henri)Investigadores fizeram monitoramento por dois dias e prenderam o réu no Jardim Colibri (Foto: Guilherme Henri)

Três anos depois de ser condenado à prisão por homicídio, o eletricista Valdir da Silva Queiroz, 52 anos, foi detido hoje, no Jardim Colibri, em Campo Grande. O crime aconteceu em 2013, quando Queiroz matou a tiros e quase degolou José Carlos da Silva, que era namorado da ex-mulher do réu.

Consta na denúncia que, no dia 25 de agosto de 2013, Valdir Queiroz tentou falar com a ex, sem sucesso. Resolveu ir até a casa em que ela morava, no Jardim Los Angeles, e viu quando a moça saiu de casa com o também eletricista José da Silva. Armado, atirou na vítima e, com uma faca, quase o degolou. Em defesa, ele disse que usou a arma em legítima defesa, pois era ameaçado por José.

O homem se apresentou e entregou a arma à polícia e o flagrante convertido em prisão preventiva. No dia 14 de agosto de 2014, ele foi pronunciado pela Justiça a responder por homicídio doloso, qualificado por meio fútil e sem chance de defesa à vítima. Na mesma pronúncia, o juiz Carlos Alberto Garcete concedeu a liberdade provisória, sob condição de que o réu se apresentasse mensalmente em juízo.

O eletricista foi julgado no dia 12 de setembro de 2016, sendo condenado a 14 anos de reclusão. O juiz Fernando Chemin Cury, em substituição legal na 1ª Vara do Tribunal do Júri, concedeu o direito de que o réu recorresse em liberdade.

Segundo a Polícia Civil, Valdir da Silva não foi mais encontrado. A defesa do eletricista recorreu da sentença, mas o TJ-MS (Tribunal de Justiça de MS) manteve a condenação. Agora, após o processo transitar em julgado, o processo foi desarquivado para cumprimento da prisão.

Por dois dias, os investigadores do SIG (Setor de Investigações Gerais) do 5º DP, fizeram monitoramento e, hoje, por volta das 10h, ele foi preso em uma casa no Jardim Colibri.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions