A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

22/02/2016 12:01

Trio atirou contra bar, mas câmeras quebradas dificultam identificação

Luana Rodrigues
Marca de sangue no chão de bar. (Foto: Marcos Ermínio)Marca de sangue no chão de bar. (Foto: Marcos Ermínio)

A polícia investiga o tiroteio que ocorreu na tarde deste domingo (21), em que três pessoas ficaram feridas. O caso ocorreu em um bar na Rua Barra Mansa, bairro Guanandi, e, a princípio, testemunhas contaram que quatro rapazes haviam sido atingidos por tiros, mas, segundo a polícia, são apenas três vítimas.

Outra informação é de que os autores também são três homens, porém eles ainda não foram identificados. O estabelecimento tem câmeras de segurança, mas os equipamentos não estavam funcionando.

Conforme o delegado Jairo Carlos Mendes, titular da 5ª delegacia de Polícia da Capital, a investigação está no início, já há suspeitos, mas eles ainda não foram qualificados. De acordo com o boletim de ocorrência, testemunhas contaram que três homens em um veículo Voyage, de cor creme ou cinza, chegaram em frente ao bar, sacaram armas e atiraram contra os rapazes que estavam sentados do lado de fora do estabelecimento.

Segundo a polícia, Luis Fernando de Souza Silva, 19 anos, e um adolescente de 17 anos foram alvejados no abdômen e na altura da cintura. Já Rafael José de Jesus, 18 anos, ficou com um tiro alojado na perna direita. Os três foram socorridos pelos próprios moradores da região, logo depois do tumulto que ocorreu por volta das 15 horas, e encaminhados ao posto de saúde do bairro Guanandi. Depois tiveram de ser levados para a Santa Casa.

Ontem (21), um homem que se identificou como Emerson de Souza Moraes, disse que o filho dele de 18 anos, que também se chamava Emerson, havia ficado ferido, mas a polícia não confirmou isso.

Marca de bala na porta do bar, na Rua Barra Mansa. (Foto: Marcos Ermínio)Marca de bala na porta do bar, na Rua Barra Mansa. (Foto: Marcos Ermínio)

Uma das vítimas contou a policia que suspeita de um homem com o apelido de “Chiquinho”, morador do bairro Tijuca, que será investigado.

Tumulto- Uma mulher que estava no local, com um filho de um ano no colo, disse que ficou desesperada na hora do tiroteio. "Joguei meu filho no chão, com medo dele ser atingido", diz a jovem de 21 anos, que pediu para não ser identificada. Há marcas de balas em diversos pontos do prédio, desde a fachada, até em um saco de guardanapos que ficava no interior do bar. 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions