ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  05    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Uniforme ou holerite vão garantir embarque para trabalhador de serviço essencial

Funcionário também poderá apresentar carteira funcional ou declaração do empregador

Por Jones Mário | 16/07/2020 12:50
Passageiros em ônibus do transporte coletivo de Campo Grande (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Passageiros em ônibus do transporte coletivo de Campo Grande (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

Trabalhadores das atividades econômicas essenciais vão precisar de mais que apenas o cartão de passagem para embarcar nos ônibus do transporte coletivo de Campo Grande nestes próximos dois fins de semana, quando as medidas restritivas ao comércio serão endurecidas para frear o contágio pela covid-19. Segundo a prefeitura, o funcionário deverá estar uniformizado ou com crachá da empresa para subir no carro.

O trabalhador poderá também apresentar ao motorista documentos como carteira funcional, contracheque ou uma declaração do empregador.

Conforme o município, vão circular apenas linhas especiais nos próximos sábados e domingos de julho, voltadas para funcionários de serviços essenciais.

Em nota, a prefeitura recomendou consulta ao site do Consórcio Guaicurus para verificar horários e itinerários disponíveis. Via assessoria, o grupo responsável pelo transporte coletivo na Capital disse que ainda define qual será a programação para os próximos finais de semana. De segunda a sexta-feira, as linhas e horários seguem normais.

Conforme decreto que estipulou funcionamento apenas de atividades essenciais nos sábados e domingos restantes do mês, entram no rol os serviços de assistência à saúde; farmácias; mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, quitandas, padarias e centros de abastecimento de alimentos; fornecimento de água, esgoto, limpeza urbana, energia elétrica, distribuição de gás, telefonia e internet; coleta e reciclagem de lixo; postos de combustíveis e apoio em rodovias; veterinários; delivery; segurança particular; cemitérios e funerárias; hotéis e pousadas; serviços de mobilidade urbana; atividades religiosas; e ações de fiscalização e polícia.

Nesta quinta, foram incluídas as agências bancárias, com funcionamento exclusivo para pagamento de benefícios emergenciais.

A Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana) reforça que o transporte de trabalhadores que não forem dos serviços essenciais deverá ser providenciado pelos empregadores.