ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Vereador pede liminar para suspender futuro residencial com 10 mil interessados

Marcos Tabosa aponta que doação de área pode causar prejuízo de R$ 20,5 milhões

Aline dos Santos | 24/06/2021 12:05
Vista geral do condomínio que será erguido no Cabreúva. (Foto: Reprodução)
Vista geral do condomínio que será erguido no Cabreúva. (Foto: Reprodução)

O vereador Marcos Tabosa (PDT) pede liminar à Justiça para suspender o ato de chamamento público que deu origem a projeto de residencial com 792 apartamentos no Bairro Cabreúva, localizado atrás da obra parada do Centro de Belas Artes, em Campo Grande. Atualmente, a prefeitura recebe inscrições  até dia 15 para os imóveis e a fila já é de 10.672 interessados.

Na ação popular, protocolada na última segunda-feira (dia 21), o vereador afirma que a liminar é necessária em razão do sério risco de dano: evitar que seja efetivada a doação pela prefeitura de área avaliada em R$ 20,5 milhões para a empresa a Cesari Engenharia e Construção Ltda, responsável pela obra.

Conforme Tabosa, chamamento público, como o publicado pela prefeitura (edital 001/2019) é destinado a selecionar organização da sociedade civil: entidades privadas e sem fins lucrativos, que desenvolvem nas áreas de direitos humanos, saúde, educação, cultura, ciência e tecnologia, desenvolvimento agrário, assistência social e moradia.

“Portanto, o chamamento público não se trata de um processo para contratação de uma empresa privada tradicional, devendo ser realizado somente quando a Administração quiser firmar uma parceria com uma OSC [Organização da Sociedade Civil]”, informa o processo.

Nesta linha de raciocínio, o correto para contratar empresa era abertura de licitação. Desta forma, o pedido é de que, ao término do processo, o chamamento público seja anulado por vício formal e afronta ao princípio da legalidade.

Área de cinco hectares fica localizada atrás da obra parada do Cento de Belas Artes. (Foto: Reprodução)
Área de cinco hectares fica localizada atrás da obra parada do Cento de Belas Artes. (Foto: Reprodução)

Conforme documento anexado a ação, o chamamento de empresas interessadas na execução da obra teve dois participantes: Cesari Engenharia e Construção Ltda e Engepar. A última acabou desclassificada por não apresentar documentos necessários para a habilitação.

Com direito à piscina, o futuro residencial vai atender famílias com renda de cinco a sete salários mínimos. Do total de imóveis, 554 serão financiados para quem se inscrever no sorteio da Amhasf (Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários).

Outros 158 apartamentos são de livre comercialização para a Cesari Engenharia. Enquanto 80 imóveis vão ser repassados para a prefeitura e destinados a projeto de locação social. A modalidade aluguel será para famílias com renda de até três salários mínimos.

 O terreno no Cabreúva tem cinco hectares, fica às margens do Córrego Segredo e a doação foi aprovada pela Câmara Municipal. A área foi avaliada em R$ 20,5 milhões. O edital para seleção de empresa foi lançado pela prefeitura em 2019, quando o terreno tinha avaliação de R$ 16,2 milhões.

Além de 20% dos apartamentos (158 imóveis), a Cesari Engenharia também vai comercializar 42 salas, que ficarão fora do condomínio, com serviços de farmácias, padaria, açougue, lojas.

Sobre a ação popular, a Cesari Engenharia informou que ainda não foi intimada. “A empresa participou de um chamamento público, procedimento mais complexo do que a licitação, e foi vencedora. E participou justamente por entender que o empreendimento irá contribuir para o déficit de moradias em Campo Grande, além de valorizar o bairro Planalto e o entorno”.

A Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários informa que questão foi encaminha à PGM (Procuradoria-Geral do Município) para que sejam tomadas as medidas jurídicas cabíveis. O titular da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, determinou que a prefeitura se manifeste no prazo de 72 horas.

Nos siga no Google Notícias