A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

23/09/2014 13:01

Com atraso de 3 anos, julgamento da morte de índio pode levar 60 meses

Aliny Mary Dias
19 pessoas são acusadas por morte de cacique durante confronto(Foto: Divulgação/Cimi)19 pessoas são acusadas por morte de cacique durante confronto(Foto: Divulgação/Cimi)

No próximo dia 18 de novembro, a morte do cacique guarani-kaiowá Nízio Gomes completa três anos e o processo que apura o envolvimento de 19 pessoas no assassinato do líder indígena terá as primeiras audiências nesta quarta (24) e quinta-feira (25). As testemunhas de acusação serão ouvidas no Fórum de Ponta Porã, distante 323 quilômetros da Capital e todo o processo de oitiva pode levar até cinco anos.

O processo tramita desde janeiro de 2012, quando a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) foi aceita pela Justiça Federal. Nízio desapareceu no dia 18 de novembro de 2011, durante confronto entre índios e seguranças de produtores rurais, na Fazenda Nova Aurora, em Aral Moreira, distante 364 quilômetros de Campo Grande. Testemunhas e a investigação policial afirmam que o cacique foi morto a tiros por pistoleiros e o cadáver ocultado.

No último dia 24 de julho desse ano, a data das primeiras audiências foram designadas pela Justiça. Serão ouvidas neste quarta-feira as testemunhas Dilo Daniel, Simone Lopes, Valmir Gonçalves Cabreira, Roseli Daniel e Ruth dos Santos Martins. As oitivas começam às 14 horas no fórum de Ponta Porã.

Na quinta-feira serão ouvidas as testemunhas Luis Antônio Ebling do Amaral, Paloma Brígido Machado Alves e Juliana Mello Vieira. Também serão ouvidos os informantes Jhonataon Velasques Gomes, Adesildo Brites e Diorge Peloi.

Desde o início da semana, lideranças da Comunidade Guaiviry, que reivindicam há anos a demarcação de terras entre Aral Moreira e Ponta Porã, estão reunidas. O grupo de lideranças deve protestar em frente ao fórum durante os dois dias de audiência para mobilizações e rezas.

Nízio desapareceu no dia 18 de novembro e investigação concluiu que ele foi assassinado (Foto: Arquivo Pessoal)Nízio desapareceu no dia 18 de novembro e investigação concluiu que ele foi assassinado (Foto: Arquivo Pessoal)

O advogado do Cimi (Conselho Indigenista Missionário), Luiz Henrique Eloy Amado, afirma que em razão da quantidade de acusados, já era esperada a demora na oitiva das testemunhas. “Nós já imaginávamos que seria em 2014 porque a denúncia do ministério público foi feita em 2012 e são muitos acusados, alguns continuam presos e outros estão com medidas cautelares e respondem em liberdade”, diz.

A previsão é que a fase de instrução, como é conhecida judicialmente o período de oitivas de testemunhas e reús, demore pelo menos mais cinco anos para ser concluída. Entre os 19 acusados há agricultores, advogado, funcionário público, servente de pedreiro, donos e funcionários da empresa Gaspem segurança, com sede em Dourados.

Para o MPF, a Gaspem é uma milícia privada que opera “de forma indiscutivelmente ilícita”. A investigação revelou que a empresa chegava a receber R$ 30 mil para cada desocupação violenta. Seguranças eram contratados para intimidar e aterrorizar as comunidades indígenas. A empresa foi fechada em março deste ano pela Polícia Federal

Dos 19 acusados, três respondem por homicídio qualificado, lesão corporal, ocultação de cadáver, porte ilegal de arma de fogo e corrupção de testemunha. Outros quatro por homicídio qualificado, lesão corporal, ocultação de cadáver, porte ilegal de arma de fogo e 12 por homicídio qualificado, lesão corporal, quadrilha ou bando armado e porte ilegal de arma de fogo.

Ação e morte – De acordo com a denúncia do MPF à Justiça, a comunidade indígena ocupou a área de mata da fazenda em 1º de novembro de 2011. Depois disso, um grupo, que conforme a denúncia agia a mando de produtores rurais, começou a planejar a retirada dos guarani-kaiowás.

A ação foi colocada em prática na madrugada do dia 18 de novembro. Segundo o MPF, ao chegar na trilha que dá acesso ao interior do acampamento, o grupo abordou o cacique Nízio Gomes, que na época tinha 55 anos, e ele resistiu à ação.

O confronto mais intenso começou a partir daí e Nízio Gomes acabou baleado. O corpo do indígena até hoje não foi encontrado, buscas foram feitas até no Paraguai, após depoimentos, que depois foram definidos como “resultado de coação”, indicarem que o cacique vivia em uma comunidade paraguaia.

PF fecha sedes de empresa de segurança envolvida em confrontos indígenas
O pedido do MPF (Ministério Público Federal) em fechar as sedes da empresa Gaspem Segurança foi atendido pela Justiça e a Polícia Federal Sedes da em...
Justiça concede põe em liberdade mais dois envolvidos em morte de cacique
Dois acusados de envolvimento na morte do cacique Nísio Gomes tiveram pedido de habeas corpus concedido pelo TRF3 (Tribunal Regional Federal) nesta s...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions