A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

02/10/2013 15:30

Correio tem 136 mil produtos em atraso e greve vai até quarta-feira

Lidiane Kober
Faixa em frente a agência da rua Barão do Rio Branco aponta a paralisação. (Foto:Marcos Ermínio)Faixa em frente a agência da rua Barão do Rio Branco aponta a paralisação. (Foto:Marcos Ermínio)

No décimo quinto dia da greve, o Correio registra 136 mil correspondências em atraso em Mato Grosso do Sul. A empresa, porém, frisa que vem realizando mutirões nos finais de semana e que o acúmulo é referente a apenas a correspondências recebidas nesta semana. A paralisação deve encerrar na próxima quarta-feira (9), um dia depois do julgamento que decidirá impasse sobre o salário dos funcionários.

Segundo a assessoria de imprensa do Correio, por dia, chegam ao Estado 360 mil correspondências e encomendas, das quais 216 mil são endereçadas a Campo Grande. “Hoje, o atraso é de 136 mil objetos”, informou a assessoria. “No último final de semana, realizamos mutirão para zerar as entregas acumuladas, portanto, o atraso se refere apenas a correspondências recebidas desde segunda-feira (30)”, acrescentou.

Ainda de acordo com a assessoria, o atraso não engloba encomendas. “Temos um centro de entrega que realiza esse serviço e estes funcionários não aderiram à greve”, destacou. No total, o Correio conta com 1.693 colaboradores, dos quais, segundo a assessoria, 8% aderiram à paralisação.

O Sintect-MS (Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, Telégrafos e Similares), por sua vez, informa a adesão de 60% dos funcionários e estima que, apenas na Capital, são distribuídos, por dia, um milhão de objetos. “Não temos como estimar os produtos em atraso, mas com certeza a carga é grande”, comentou o secretário-geral Alexandre Takashi de Sá.

Julgamento – Depois de a empresa rejeitar, na segunda-feira (30), contraproposta dos funcionários, a categoria decidiu aguardar julgamento do caso no TST (Tribunal Superior do Trabalho). A grande expectativa é no sentido de a Justiça acolher pedido de abono de R$ 100, mais reajuste de 8%.

A empresa chegou a aceitar pagar o aumento, mas rejeitou o abono. “Então, decidimos aguardar a posição do TST, que marcou para 8 outubro o julgamento, portanto, de qualquer forma no dia 9 voltamos ao trabalho”, anunciou Alexandre.

A categoria também reivindica a manutenção da Assistência Médica (Correio Saúde) nos moldes atuais e extensivos aos novos empregados. Os funcionários também querem o abono dos dias parados, incluindo as paralisações dos dias 11 de julho e 30 de agosto.

Além disso, eles apelam pela implantação da entrega postal matutina em todo o território nacional, pagamento do auxílio creche, sem discriminação e contratação imediata de mais trabalhadores.

Há 11 dias em greve, funcionários dos Correios se unem para doar sangue
À espera da resposta dos Correios após o envio de uma nova contraproposta na tarde de ontem (26), os trabalhadores das agências de Campo Grande que a...
Funcionários dos Correios aprovam proposta, mas continuam em greve
Os funcionários dos Correios de Mato Grosso do Sul aprovaram, durante assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (26), em Campo Grande, a contr...
Sindicato convoca trabalhadores dos Correios e greve pode acabar amanhã
O Sintect/MS (Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, Telégrafos e Similares do Estado) convocou a base dos trabalhadores da categoria em Mato Gros...


Greve justa, por melhores salários, afinal os políticos, roubam, aumentam seus próprios salários, a baderna que impera no país é reflexo dos nossos governantes, falta de Leis, falta na verdade tudo...
 
Nery Ribeiro em 02/10/2013 20:54:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions