ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Defesa de goleiro admite morte de Eliza Samudio e culpa Macarrão por crime

Aline dos Santos | 12/03/2012 08:20

Filho do casal mora com a avó em Anhanduí

Eliza tentava que Bruno reconhecesse a paternidade de seu filho.
Eliza tentava que Bruno reconhecesse a paternidade de seu filho.

Depois de alegar por quase dois anos que Eliza Samudio está viva, pois o corpo não foi achado, a defesa do goleiro Bruno Fernandes admite pela primeira vez que a jovem morreu.

A nova estratégia será adotada pelo advogado Rui Caldas Pimenta, que vai defender o goleiro durante o julgamento , que ainda não foi marcado. Eliza brigava na Justiça para que Bruno reconhecesse ser do pai do seu filho.

De acordo com o portal G1, Pimenta vai sustentar no julgamento que Luiz Henrique Romão, o Macarrão, amigo do goleiro, tomou a decisão de matar Eliza por ciúme.

Na versão da defesa, Bruno deu R$ 30 mil para a jovem e determinou que Macarrão a deixasse na rodoviária de Belo Horizonte. A defesa ainda aponta que Eliza foi forçada a viajar do Rio de Janeiro para Minas Gerais.

Nesta versão, Bruno queria que ela comprasse um apartamento na capital mineira. O advogado também admite que a jovem e o filho estiveram no sítio do goleiro, onde a jovem foi agredida por um adolescente, que está apreendido.

O goleiro Bruno Fernandes e mais sete réus vão a júri popular no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza. Para a polícia, ela foi morta em junho de 2010 em Belo Horizonte, e o corpo nunca foi encontrado. Mesmo assim a polícia conclui o inquérito com base em provas de que ela foi torturada e morta a mando do goleiro.

Após um relacionamento com o goleiro, Eliza deu à luz um menino em fevereiro de 2010. Ela alegava que o atleta era o pai da criança. O menino está com a avó, que mora em Anhanduí, distrito de Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias