ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Detran vai investigar denúncia de que funcionário vendeu CNH falsa

Equipe do Detran estava em blitz onde motorista foi flagrado com documento

Por Anahi Zurutuza | 10/04/2018 10:23
Sede do Detran-MS em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)
Sede do Detran-MS em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

A Corregedoria do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) abriu investigação para apurar denúncia de que funcionário teria vendido uma CNH (Carteira Nacional de Habilitação) para um motorista, pego com o documento falso em uma blitz.

O flagrante aconteceu na noite de sábado (7) na Avenida Fábio Zahran. Policiais do Batalhão de Trânsito abordaram Ider da Silva, de 26 anos, e pediram a carteira de motorista. Ao verificarem no Sigo (Sistema Integrado de Gestão Operacional) e SGI (Superintendência de Gestão da Informação), militares não localizaram a numeração do documento.

Diante da situação, o rapaz confessou que à CNH era falsa. Ele detalhou aos policiais que comprou o documento de um suposto funcionário do Detran-MS, que havia conhecido através de um amigo.

Em troca da habilitação, o motorista alegou ter feito à instalação de calhas na casa do falsificador, um serviço no valor de R$ 2 mil. Ele contou ainda que o suspeito tinha cerca de 45 anos e afirmou fazer à falsificação de documentos há bastante tempo.

O rapaz foi preso em flagrante por porte de documento falso e foi levado à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga.

O departamento de trânsito informou ainda por meio de nota que falsificadores muitas vezes dizem ser servidores para dar credibilidade ao “serviço”. “É um argumento que a pessoa que vende o documento falso utiliza para convencer a pessoa que está comprando, que aquele documento não vai ter problema numa eventual fiscalização”.

“O Detran-MS está investigando o fato e caso comprovado que a carteira foi vendida por um servidor, este será punido administrativamente e criminalmente”.