ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 26º

Empregos

Enquanto indústrias demitem, usinas de álcool geram 961 empregos

Caroline Maldonado | 05/06/2015 09:15
Usina em Rio Brilhante gerou 225 empregos nos primeiros quatro meses do ano (Foto: Divulgação Biosul)
Usina em Rio Brilhante gerou 225 empregos nos primeiros quatro meses do ano (Foto: Divulgação Biosul)

Na contramão da crise que afeta o setor industrial e provoca demissões, as usinas de açúcar e álcool de Mato Grosso do Sul continuam gerando empregos. O segmento comemora saldo positivo, com criação de 961 postos de trabalho, nos quatro primeiros meses deste ano, segundo a Biosul (Associação de Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul).

Com isso, o setor sucroenergético foi o que mais empregou no Estado, nesse período, enquanto a indústria de modo geral teve saldo negativo. De janeiro a abril de 2015, foram 596 vagas encerradas, conforme relatório divulgado pela Fiems (Federação das Indústrias do Mato Grosso do Sul). No mesmo período, a indústria gerou 1.313 postos de trabalho. O resultado é 89% inferior a média dos últimos 10 anos para a época, que é de 12.232 vagas abertas.

Conforme a Biosul, há 22 usinas em operação no Estado, com cerca de 30 mil colaboradores. Juntas, as unidades tem a segunda maior massa salarial de MS e o terceiro melhor salário da indústria. Nas cidades onde as usinas são instaladas estima-se que para cada posto criado, mais três empregos indiretos são gerados.

Na lista dos municípios que mais empregaram entre janeiro e abril estão Angélica, Rio Brilhante, Costa Rica e Chapadão do Sul, de acordo com o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Segundo o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho, todas essas cidades possuem usinas. “Estamos em plena safra e, apesar da crise que afeta o setor e o país, temos feito um esforço para recuperar o caminho do crescimento mantendo e até ampliando os empregos no setor”, comenta.

Nos siga no Google Notícias