A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

31/05/2013 16:10

Família autoriza autópsia e corpo de índio pode ir para Brasília

Nadyenka Castro e Viviane Oliveira, de Sidrolândia
Oziel Gabriel é velado na aldeia onde morava desde que nasceu. (Foto: Vanderlei Aparecido)Oziel Gabriel é velado na aldeia onde morava desde que nasceu. (Foto: Vanderlei Aparecido)

A família do terena Oziel Gabriel, 35 anos, morto durante conflito com a Polícia nessa quinta-feira, em Sidrolândia, autorizou nova autópsia no corpo do indígena.

A autorização foi dada na tarde desta sexta-feira. Até o fim da manhã, a esposa de Oziel não havia permitido novo exame no cadáver do marido. “Meu filho disse que se acontecesse alguma coisa com ele era para lutar por Justiça, por isso autorizamos”, disse o pai do índio Eufásio Gabriel, 64 anos.

O novo procedimento seria para definir o calibre do projétil que atingiu o terena durante a reintegração de posse da fazenda Buriti. A justificativa é que o laudo não foi realizado por médico-legista.

Familiares da vítima afirmam que o disparo partiu da arma de um policial federal. No local, também estava a Cigcoe (Companhia de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais), que levou munição letal para área de conflito.

Conforme a família, o novo exame será feito em Brasília. O corpo será trazido para Campo Grande e depois levado para a capital federal.

Eufásio disse que já imaginava que poderia haver conflito no local, mas, “não esperava que fosse com meu filho”. Ele não foi à fazenda porque tem problemas cardíacos. Oziel era um dos oito filhos dele.

Conflito – De acordo com a PM (Polícia Militar), oito militares ficaram feridos na ação e até um cão foi atingido por tiro. Nenhum dos policiais teve ferimentos graves.

Cinco indígenas ficaram feridos. Um, Oziel, morreu, e os outros quatros receberam atendimento médico e foram liberados.

A fazenda Buriti foi invadida no dia 15 de maio. A Justiça determinou reintegração de posse.

Índios dão 24h para família sair de fazenda invadida em Aquidauana
O grupo de 500 indígenas que invadiu a Fazenda Esperança na madrugada desta sexta-feira (31) exige a saída do casal e de dois filhos adolescentes que...
Índios terena de 7 aldeias invadem Fazenda Esperança, em Aquidauana
Cerca de 500 índios da etnia terena, de sete aldeias de Aquidauana, invadiram na madrugada de hoje a Fazenda Esperança. O grupo quer a ampliação da t...


Há de saber àqueles que aqui chegaram fugindo covardemente de suas terras originais, por causas da guerras em seus países, que os Terena e os Guacurus lutaram ao lado das tropas do Cel. Carlos Camissão, (1860), formados por soldados goianos e mineiros muitos morreram por defenderam as terras sul matogrosense na Guerra do Paraguai. Depois chegaram os "turcos" pra apossar e legalizar as terras, montaram seus esquemas politicos, justiça e poder e hoje se dizem proprietários destas terras que custaram sangue. É só pesquisar a história e a cadeia dominial nos cartório criados por eles.

 
Rafael Oliveira em 31/05/2013 16:40:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions