A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

13/05/2013 10:07

Greve pode tirar 900 policiais civis do trabalho em MS a partir de sexta-feira

Luciana Brazil
Greve começa na sexta-feira. Sinpol quer 25% de reajuste salarial. (Foto:Divulgação)Greve começa na sexta-feira. Sinpol quer 25% de reajuste salarial. (Foto:Divulgação)

Sem aceitar a proposta do governo, policiais civis de Mato Grosso do Sul iniciam greve na próxima sexta-feira, por tempo indeterminado. Paralisam as atividades 70% do efetivo, o que representa pouco mais de 900 profissionais, entre  investigadores, escrivães e agentes de polícia científica. Ao todo, são 1,3 mil profissionais em todo Estado. 

Também há a orientação para que policiais não utilizem viaturas em estado precário já a partir de hoje, cerca de 70% dos veículos, nas contas do sindicato da categoria.“Se a viatura colocar em risco nossos profissionais, a orientação é comunicar o chefe e não usar os carros”, diz o presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul), Alexandre Barbosa da Silva. 

A categoria, que quer reajuste de 25%, rejeitou o aumento salarial de 5% proposto pelo governador André Pucinelli (PMDB). Segundo o presidente, a briga não é só pela questão salarial, mas por outros problemas na estrutura de trabalho.

O governo chegou a aumentar a proposta para 7%, mas ainda assim não houve acordo com a categoria que no sábado chegou a fechar a avenida Assaf Trad em protesto.

“Não estamos brigando só por salário, mas também pela falta do efetivo. Hoje, a defasagem é de 1,2 mil policiais. Além disso, as viaturas estão precárias, vazando combustível e com pneu careca. Existem ainda várias denúncias que na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento ao Cidadão) centro, várias vezes o ônibus de transporte de presos quebrou. Isso demonstra a fragilidade do sistema”.

Nesta segunda-feira, o Sinpol já se prepara para comunicar os órgãos competentes sobre a greve. “Vamos agir dentro da legalidade e fazer o comunicado com 72 horas de antecedência”.

Barbosa ressalta que a greve será por tempo indeterminado e frisa que a redução de trabalho, diminui a produtividade na segurança Pública. “Vamos ficar em greve até que haja uma proposta decente. O trabalho dos policiais precisa ser valorizado. Estamos entre as 10 corporações mais produtivas do país ”.

Segundo ele, um acordo entre a categoria e o governo, estabelecido em 2010, formalizava a redução da diferença salarial entre os policiais civis e os delegados.

Hoje, a diferença chega a mais de 70%. No acordo, o Estado se comprometia a reduzir a cada ano, pelo menos, 1% da diferença. “Nós só recebemos 26% do salário de um advogado”, explica Barbosa.

Em 2011 e 2012, segundo o presidente da entidade, o governo cumpriu com o acordo, mas neste ano recuou da decisão.

Além disso, para o Sinpol, as negociações ficam ainda mais complicadas já que o governo ameaça extinguir a classe substituta (classe inicial), caso os policiais não aceitem o percentual proposto.

Barbosa explica que ao acabar com a classe inicial, o salário dos novos policiais, que deveria ser de R$ 2.361, passaria a ser o valor da terceira classe, que é de R$ 2,8 mil. “Isso é uma enganação, porque só prestigiaria quem acabou de entrar e não quem é de carreira. O governo quer mascarar para população, para as pessoas pensarem que o nosso salário aumentou, mas não será isso. É um golpe”.

Com o reajuste defendido pela categoria, o salário inicial, que é de R$ 2.361, subiria para R$ 3.800 até maio de 2014.

De acordo com um levantamento realizado pelo sindicato, os policiais civis do Estado recebem o 25º salário do País, ficando à frente apenas dos estados do Acre e Paraíba.

São 1,6 mil profissionais entre delegados, papiloscopistas, escrivães, investigadores, entre outros.

 

Policiais civis bloqueiam avenida Assaf Trad para anunciar greve
Após assembleia que decidiu de forma unanime pela greve, policiais civis estão bloqueando a avenida Cônsul Assaf Trad, na saída para Cuiabá como prot...
Policiais civis discutem reajuste salarial com Simone Tebet
A governadora em exercício Simone Tebet (PMDB) recebeu uma equipe dos policiais civis para discutir as reivindicações da categoria. Eles realizaram p...


Creio que a greve nunca é a melhor escolha, porém o Governador deveria dar uma atenção especial aos policiais, pois estes sim, são verdadeiros heróis do dia-a-dia. Mas o que aparenta ser é que ambos os lados fixaram uma visão de percentual e "é isso e pronto" sem chances de conversas e negociações.
 
Isaac Pancini em 13/05/2013 14:20:54
A população não sabe nem da metade dos crimes que acontecem em Campo Grande..a coisa ta feia...vamos mobilizar geral galera!!!!
 
luciana faria em 13/05/2013 13:54:30
Não vai me fazer falta nenhuma.
 
Alex André de Souza em 13/05/2013 11:21:12
tem que parar mesmo!, APÓIO, por mim para o Brasil pra esses políticos que deveriam trabalhar a favor do povo, tomarem consciência de que a ''batata'' deles esta assando e que não ha mais espaço para corruptos como nosso querido e amado....hehe sem nomes neah ;)
 
Giullyano Rocha em 13/05/2013 11:20:34
Como cidadão eu apoio a greve dos policiais. O ditador governador não dá aumento, mas exige, e muito, segurança. Não quer gastar com pessoal, para gastar em obra que aparece para eleição. A população quer segurança. Ele não aumenta salário de quem arrisca a vida por todos, mas arruma cargos com salários altos para aliados que não fazem nada. Estamos cansados de tanta insegurança, tantos crimes bárbaros.
 
Rafael Santos em 13/05/2013 10:49:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions