ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUARTA  01    CAMPO GRANDE 32º

Interior

Agente que fornecia drogas a detentos vai continuar preso, determina justiça

Servidor foi preso durante a Operação Asepsis, deflagrada pela 1ª Delegacia de Polícia de Naviraí

Por Adriano Fernandes | 21/02/2020 21:59
Agente penitenciário está preso no Centro de Triagem em Campo Grande. (Foto: Divulgação/PolíciaCivil)
Agente penitenciário está preso no Centro de Triagem em Campo Grande. (Foto: Divulgação/PolíciaCivil)

A justiça determinou que o agente penitenciário Luiz Henrique Araújo Olivette, acusado de fornecer celulares e drogas a detentos da Penitenciária de Segurança Máxima de Naviraí, deve continuar preso. Ele está detido desde dezembro, quando foi deflagrada a Operação Asepsis, mas teve a prisão em flagrante convertida em preventiva pela Polícia Civil, nesta última quinta-feira (20). 

O agente estava sendo investigado desde o ano passado, quando agentes penitenciários foram informados por um detento que, em uma das celas do presídio, internos estariam escondendo um aparelho celular. No dia 16 de maio de 2019 foi realizada busca e apreendidos diversos aparelhos celulares e maconha em um pavilhão.

A Polícia Civil apurou que a entrada dos objetos estaria sendo facilitada por um dos agentes lotados naquele estabelecimento em troca de dinheiro. Após ser decretada a prisão temporária do suspeito foi realizada busca em sua residência e armário pessoal em seu trabalho. No dia 23 de dezembro de 2019 foi dado cumprimento ao mandado de busca, que apreendeu, na casa do agente, onze munições intactas de calibre .38, de origem estrangeira, cinco celulares, quatro caixas de aparelho celular, oito carregadores de celular, um fone de ouvido, dois notebooks e um cartão bancário em nome do investigado.

O suspeito foi preso em flagrante pelo crime de tráfico internacional de munição e o procedimento foi posteriormente remetido à Polícia Federal, que possui atribuição para investigar estes tipos de delitos. Ao final da investigação, o delegado responsável pelo procedimento, Thiago de Lucena, representou pela prisão preventiva do suspeito, cujo mandado foi cumprido nesta última quinta-feira (20).