ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Após estupro, menina é obrigada a conviver com tio que a engravidou

Familiares do abusador o protegem e medida protetiva não está sendo cumprida, já que o homem visita o bebê com frequência

Por Lucia Morel | 17/02/2021 16:52
Caso ocorreu na Aldeia Limão Verde, em Aquidauana. (Foto: Divulgação)
Caso ocorreu na Aldeia Limão Verde, em Aquidauana. (Foto: Divulgação)

Adolescente de 13 anos estuprada pelo tio na Aldeia Limão Verde, em Aquidauana, ganhou neném há menos de um ano e mesmo com medida protetiva que impede o abusador de se aproximar dela, ele continua frequentando a casa da menina e visitando a criança.

Delegada da DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) do município, Joilce Silveria Ramos, conta que o caso chegou à Polícia Civil em novembro do ano passado, e a menina de 13 anos já estava com o filho nos braços. O tio foi denunciado à Justiça, que definiu a medida protetiva.

“Eu fiz o pedido de prisão, mas o juiz indeferiu, aplicando medida protetiva proibindo ele (o tio) de se aproximar da adolescente”, comentou a delegada. Ocorre que a medida está sendo desrespeitada e o homem tem visitado a criança com frequência e mora na mesma aldeia da menina.

O parentesco entre tio e vítima é o seguinte: ele é casado com a irmã da mãe da adolescente. A mãe já é falecida e a menina morava com a tia quando os abusos aconteceram. Atualmente ela mora com a avó materna, que é sogra do tio abusador e segundo a delegada, “a família o protege”.

“Nas aldeias é comum ser assim. É comum acontecer das familias protegerem os agressores, pelo simples fato de ser parente. A mãe não quer ver o filho preso”, diz a delegada, que lembra ainda que tanto a tia quanto a avó da menina deram chás e remédios para a adolescente, quando estava grávida, na tentativa de fazê-la abortar.

A delegada informou que nenhuma nova denúncia sobre o caso foi feita recentemente e que fará diligências na aldeia para saber se a medida protetiva está sendo descumprida.

A reportagem entrou em contato com o Conselho Tutelar de Aquidauana que informou que apenas após reunião colegiada poderá se manifestar sobre o caso.

O cacique da aldeia Limão Verde, Antônio dos Santos Silva, também foi contatado, e informou que a autoridade dele sobre o assunto acaba quando casos como esse são levados à Justiça. “Nossa autoridade é até quando a Justiça não tiver conhecimento”, afirmou.

Mais casos – em Aquidauana, um dos casos mais recentes de estupro de vulnerável que veio à tona foi do professor Florêncio Garcia Escobar, de 55 anos, que foi preso em janeiro. O caso foi denunciado à polícia em dezembro, quando a vítima, hoje com 18 anos, relatou que foi abusada à mãe, após se deparar com o abusador em um jantar de família.

Em 2018, na mesma cidade, menina de 12 anos engravidou do próprio pai, também índio. Ela sofria os abusos quando era levava marmita ao pai, no trabalho dele. A criança nasceu em setembro de 2018.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário