ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Bandidos invadem banco, rendem funcionários e fogem levando dinheiro de cofre

Assalto ocorreu por volta das 7h desta quarta-feira (29), antes da abertura para atendimento ao público

Por Kerolyn Araújo e Helio de Freitas | 29/07/2020 10:15
Viatura da Polícia Civil em frente ao banco alvo de assalto. (Foto: Gustavo Garcia/Alvorada Informa)
Viatura da Polícia Civil em frente ao banco alvo de assalto. (Foto: Gustavo Garcia/Alvorada Informa)

Pelo menos quatro bandidos armados invadiram uma agência do Banco do Brasil, renderam funcionários e fugiram com dinheiro do cofre. O assalto ocorreu na manhã desta quarta-feira (29) em Nova Alvorada do Sul, cidade distante a 120 quilômetros de Campo Grande.

O crime ocorreu por volta das 7h, antes da agência abrir para atendimento ao público. Os quatro bandidos chegaram em carros de passeio, renderam o vigia, tomaram a arma e invadiram o prédio.

Os funcionários do banco foram rendidos e obrigados a deitarem no chão sob ameaças de morte. Há informação de que a quantia levada pela quadrilha chegue a R$ 5 milhões. O Campo Grande News apurou que ontem (28), a agência recebeu depósito robusto para pagamento de funcionários de usina de álcool da região.

Além da Polícia Civil e Militar da cidade, equipes do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), Bope (Batalhão de Operações Especiais) e Batalhão de Choque estão na cidade auxiliando nas buscas, inclusive com auxílio de helicóptero.

Ainda conforme apurado pela reportagem, a Polícia Militar mobilizou equipes das cidades vizinhas e estão fazendo barreiras em busca dos criminosos.

Assaltos a banco no interior do Brasil têm sido atribuído ao chamado “Novo Cangaço”, denominação inspirada nos cangaceiros que por três décadas cometeram crimes no Nordeste brasileiro.

O último caso do tipo ocorreu no início de dezembro de 2019, quando cinco integrantes do grupo conhecido como "Bonde do Maluco",  tentaram assaltar um carro-forte entre Caarapó e Amambai. Eles não conseguiram levar o dinheiro e foram mortos um dia depois, em confronto com a polícia.

O principal líder da quadrilha, José Francisco Lumes, o “Zé de Lessa”, foi um dos mortos pelo Garras. Ele era um dos bandidos mais procurado da Bahia.