ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  04    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Cartão achado com homem degolado indica relação com jovem morta a tiros

Homem degolado estava com um cartão que pertencia a jovem que foi encontrada morta a 100 metros dele

Por Adriano Fernandes e Helio de Freitas | 04/03/2021 22:15
Maria Carolina Alves Pulquerio tinha apenas 18 anos. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Maria Carolina Alves Pulquerio tinha apenas 18 anos. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Foi identificada como Maria Carolina Alves Pulquerio, de 18 anos, a mulher encontrada morta ao lado de Adeilton Rocha dos Santos, de 52 anos, na tarde desta quinta-feira (4), na margem de uma estrada perto do frigorífico da Friboi/JBS, em Ponta Porã, a 323 quilômetros de Campo Grande.

O local fica a 100 metros de onde Wathylla Pereira Soares, de 26 anos, também foi encontrado degolado ontem (3). Conforme apurado pela reportagem, há indícios de relação entre as três mortes.

No bolso de Wathylla foi encontrado o cartão de uma conta em um banco digital, que estava em nome de Maria Carolina. Na região, circula um boato de que os dois eram namorados.

Somada a proximidade de onde os corpos foram encontrados, a polícia suspeita que as três vítimas tenham sido executadas quase ao mesmo tempo. Os dois corpos estavam de bruços, indício de que tenham sido “desovados” no local.

Empresário foi morto enquanto dirigia a sua caminhonete. (Foto: Marciano Candia/Última Hora)
Empresário foi morto enquanto dirigia a sua caminhonete. (Foto: Marciano Candia/Última Hora)

Violência - A quinta-feira (04) de violência extrema na fronteira do Brasil com o Paraguai, não se resumiu a execução do trio.

O atentado ao empresário David Roney Souza Pinto, no final desta tarde, três dias depois de completar 42 anos, fez subir para quatro número de pessoas assassinadas nas últimas 24h na região.

Ele dirigia uma caminhonete Ford F-250 em estrada em Ponta Porã que dá acesso ao município de Antônio João quando foi vítima de disparos de arma de fogo. Natural de Ponta Porã, Roney tinha antecedentes criminais por tráfico de drogas e já respondeu por homicídio. Ele era dono de um lava-rápido na cidade.

Os atiradores usaram pistolas de calibre 9 mm no atentato, contudo, ainda não foram localizados pela polícia. Até o momento não há indícios de que o assassinato do empresário tenha relação com as outras 3 execuções.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário