ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Comoção move manifestantes em ato por justiça após morte de estudante

Adriano Fernandes e Helio de Freitas | 23/08/2018 19:43
Manifestantes pelas ruas da cidade, no início da noite. (Foto: Leo Veras)
Manifestantes pelas ruas da cidade, no início da noite. (Foto: Leo Veras)

Dezenas de pessoas, dentre amigos e familiares das duas jovens assassinadas pelo eletricista paraguaio, Cristopher Andrés Romero Irala, de 27 anos, saíram em protesto por Pedro Juan Caballero, desde o final da tarde, desta quinta-feira (23).

Com cartazes, balões e um pedido de justiça, os manifestantes iniciaram o ato na universidade onde a estudante brasileira Erika de Lima Corte, 29, cursava medicina em Pedro Juan Caballero. Ela foi encontrada morta na madrugada de segunda-feira (20) no pensionato onde morava com outra estudante brasileira.

“Ela veio fazer medicina e se deparou com a morte e a insegurança. Quero deixar para vocês meu apoio. Meu coração está abatido. Isso para mim foi uma apunhalada no meu coração. Só quero justiça. Fica a minha saudade que esta profunda”, disse o pai da estudante, aos prantos.

Na concentração para o protesto, estiveram presentes além de alunos, o Governador de Amambay Ronald Acevedo e o intendente de Pedro Juan Caballero, José Carlos Acevedo. Do local, todos saíram em passeata passando por todas as oito universidades da cidade até o Palácio da Justiça de Pedro Juan.

Durante o protesto, também esteve presente a avó da também estudante paraguaia Daisy Patricia Benítez Gómez, morta em 2012 pelo eletricista. À época, aos 26 anos, Daisy foi estrangulada, esfaqueada e teve parte do corpo queimado, em Pedro Juan Caballero.

Após ficar um tempo foragido, Cristopher se apresentou e chegou a ser preso, mas por falta de provas acabou sendo liberado. Agora, a justiça paraguaia decretou a prisão dele pela morte da brasileira. O eletricista se mantém em silêncio sobre as acusações.

Com a colaboração de Leo Veras***

Nos siga no Google Notícias