A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

20/07/2016 11:12

Conselho discute hoje decisão de renunciar à gestão plena de saúde

No mês passado, município encaminhou carta à comissão estadual de gestores e nesta semana deve avisar Ministério da Saúde

Helio de Freitas, de Dourados
Prefeitura quer entregar ao Estado e União serviços de média e alta complexidade (Foto: Arquivo)Prefeitura quer entregar ao Estado e União serviços de média e alta complexidade (Foto: Arquivo)

A decisão do município de renunciar à gestão plena dos recursos destinados à saúde e entregar para o Estado e para a União a responsabilidade pelos atendimentos de média e alta complexidade, é um dos assuntos da reunião que o Conselho de Saúde de Dourados faz hoje (20) às 14h na segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, a 233 km de Campo Grande.

No mês passado, depois de 15 anos com gestão plena dos recursos para atender a população de 33 municípios através do SUS (Sistema Único de Saúde), Dourados protocolou uma carta-renúncia na comissão regional de gestores de saúde, formada pelos secretários de saúde da região, depois homologada na comissão estadual, que reúne todos os municípios e a Secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul.

“Será um fato inédito no país, mas será a única saída se não ouvirem nosso pedido de socorro”, afirmou no dia 21 de junho ao Campo Grande News o secretário de Saúde de Dourados, Sebastião Nogueira. O prazo para uma solução amigável vence nesta semana, mas até agora não houve avanço e o caso deve ser levado ao Ministério da Saúde até sexta-feira.

De acordo com o secretário, o município não tem mais de onde tirar recursos próprios para ajudar a pagar a conta da saúde, já que o dinheiro do SUS não seria suficiente. Sebastião Nogueira também cobra mais ajuda financeira do Estado.

Segundo ele, o maior gasto é manter os serviços de média e alta complexidade no Hospital da Vida, Hospital Evangélico e HU (Hospital Universitário).

“O contrato com o HU está vencido desde maio. Para renovar, o hospital quer mais R$ 800 mil a, mas o município não tem. O HE também quer mais dinheiro. Dourados está mantendo a UPA desde dezembro de 2014 praticamente sozinho. Quando procuramos os governos a reposta é sempre a mesma: ‘o problema é seu, você é gestão plena’”, afirmou Sebastião Nogueira.

Outros assuntos – Além da possível renúncia à gestão plena, a reunião do Conselho de Saúde vai debater a dívida do município com o HU e a solicitação de mais recursos para o município.

De acordo com a presidente do conselho, Berenice de Oliveira Machado Souza, além do secretário de Saúde vão participar a superintendente do HU, Mariana Croda, representantes das fundações de saúde e da Secretaria de Fazenda do município.



Por que não fazem o mesmo com Campo Grande, já que a Prefeitura Municipal e a Sec. de Saúde não existem?
 
Barbarossa em 20/07/2016 11:24:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions