ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SÁBADO  12    CAMPO GRANDE 15º

Interior

Defensor alega que internação é ilegal e maníaco deveria ter tido tratamento

Por Aline dos Santos | 09/02/2012 14:50

“Essa situação é irregular, não se justifica”, afirma

Maníaco está há mais de três anos na Unei de Ponta Porã. (Foto: João Garrigó)
Maníaco está há mais de três anos na Unei de Ponta Porã. (Foto: João Garrigó)

Ilegal. Para o defensor público Henoch Cabrita de Santana esta é a definição, sob ponto de vista jurídico, do fato de o Maníaco da Cruz continuar na Unei (Unidade Educacional de Internação) de Ponta Porã mesmo vencido o prazo máximo de internação, que é de três anos.

Nesta semana, o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou pedido de habeas corpus. Agora, a Defensoria Pública vai recorrer ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) para colocar Dionathan Celestrino, de 19 anos, em liberdade.

“Essa situação é irregular, não se justifica”, afirma o defensor. Ele ainda reclama de cerceamento da defesa, pois a Defensoria não foi informada das decisões pelo TJ. Segundo Henoch Santana, a 2ª Câmara Criminal nem chegou a analisar o mérito do pedido.

“Ele deveria ter sido tratado nesse tempo que ficou na Unei. Porque a justificativa da internação é ressocializar”, salienta. Para o defensor, o pedido de interdição, feito pelo MPE (Ministério Público Estadual), é tardio.

“Já que consideram que ele não é normal, a interdição deveria ter sido pedida desde o inicio do processo”, afirma. Neste caso, Dionathan deveria ter ficado em um hospital psiquiátrico. A interdição cível é autorizada quando comprovada grave doença mental.

De acordo com o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), “em nenhuma hipótese o período máximo de internação excederá a três anos. Atingindo o limite estabelecido o adolescente deverá ser liberado, colocado em regime de semi liberdade ou de liberdade assistida”.

Mortes em série – Dionathan foi apreendido em 2008, quando tinha 16 anos, após matar três pessoas. O primeiro a morrer foi o pedreiro Catalino Gardena, que era alcoólatra. O crime foi em 2 de julho.

A segunda vítima foi a frentista homossexual Letícia Neves de Oliveira, encontrada morta em um túmulo do cemitério do município, no dia 24 de agosto.

A terceira e última vítima foi Gleice Kelly da Silva, de 13 anos, encontrada morta seminua em uma obra, no dia 3 de outubro. Dionathan foi apreendido no dia 9 de outubro, seis dias após o último assassinato, em casa. No quarto dele havia pôster do Maníaco do Parque e de um diabo.

Para cometer os crimes ele utilizava luvas cirúrgicas. O maníaco estrangulava as vítimas e terminava de matá-las com faca, arma com a qual ele escreveu INRI (Jesus Nazareno Rei dos Judeus) no peito do primeiro alvo. Os corpos das vítimas eram colocados em forma de cruz.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário