ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  18    CAMPO GRANDE 37º

Interior

Empresário suspeito de fornecer arma que matou Rafaat ganha liberdade

Dono de uma loja de armas de Assunção estava preso desde março do ano passado; Jorge Rafaat foi morto em junho, em Pedro Juan

Por Helio de Freitas, de Dourados | 10/01/2017 10:55
Armamento apreendido em loja do Paraguai, em 2016 (Foto: ABC Color)
Armamento apreendido em loja do Paraguai, em 2016 (Foto: ABC Color)
Carlos León Campos vai ficar em prisão domiciliar (Foto: ABC Color)
Carlos León Campos vai ficar em prisão domiciliar (Foto: ABC Color)

O empresário paraguaio Carlos Federico León Campos, suspeito de ter fornecido a metralhadora antiaérea calibre 50 usada para eliminar o narcotraficante Jorge Rafaat Toumani, vai ficar em prisão domiciliar após nove meses recolhido no presídio de Tacumbú, em Assunção. A decisão foi tomada pelo Tribunal de Apelações da Justiça do país vizinho.

Campos é proprietário da Comtecpar S/A, localizada na capital paraguaia, e foi preso em 9 de março do ano passado por violação à lei de armas daquele país.

A decisão do Tribunal de Apelações derruba a determinação do juiz penal de garantias, Hugo Antonio Sosa Pasmor, que no dia 28 de dezembro tinha negado revogar a prisão preventiva do empresário e determinado que ele continuasse no regime fechado.

Com a prisão domiciliar, Campos não poderá se ausentar do país, não pode portar armas e terá de comparecer a uma audiência preliminar. O tribunal determinou que a Polícia Nacional controle a prisão domiciliar do empresário.

Arsenal – Durante as buscas na empresa de Campos, chefiadas pelos promotores Lorena Ledesma e Carlos Alcaraz, foram encontradas duas metralhadoras calibre 50 para uso contra blindados – iguais à usada para eliminar Rafaat – fuzis automáticos, pistolas, silenciadores, explosivos e munições.

Conforme o jornal paraguaio ABC Color, apesar de estar preso quando Rafaat foi morto – em 15 de junho do ano passado, no centro de Pedro Juan Caballero – Carlos Campos é suspeito de ter fornecido a arma usada para perfurar a blindagem do utilitário Hummer usado pelo narcotraficante que chefiava o crime organizado na fronteira do Paraguai com o Mato Grosso do Sul.

O pistoleiro que manuseou a metralhadora, o brasileiro Sérgio Lima dos Santos, está preso em Tacumbú.

Segundo policiais paraguaios, a execução de Rafaat foi planejada pelo concorrente dele, o brasileiro Jarvis Gimenez Pavão, junto com o PCC (Primeiro Comando da Capital). Rafaat era opositor à presença de membros do PCC na fronteira. Pavão nega envolvimento no crime e diz que ele e Rafaat eram amigos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário