ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Família fará vigília em cemitério para evitar que corpo seja furtado de novo

Corpo de Rosilei Potronieli será seputado em Dois Irmãos do Buriti; até que autor do furto, o ex-namorado José Gomes Rodrigues seja preso, pretendem fazer vigília no túmulo

Por Silvia Frias e Mirian Machado | 15/02/2019 12:19
Entrada do cemitério de Dois Irmãos do Buriti, onde Rosilei estava enterrada; há alguns dias, portão havia sido lacrado pela polícia (Foto: Henrique Kawaminami)
Entrada do cemitério de Dois Irmãos do Buriti, onde Rosilei estava enterrada; há alguns dias, portão havia sido lacrado pela polícia (Foto: Henrique Kawaminami)

A família de Rosilei Potronieli está assustada com o desfecho da investigação da subtração do corpo do cemitério de Dois Irmãos do Buriti. Depois do novo sepultamento, pretende fazer revezamento para vigiar o túmulo, até que o autor seja preso.

Em coletiva esta manhã, a Polícia Civil identificou o ex-tenente José Gomes Rodrigues, 50 anos, ex-namorado da vítima, como responsável pelo furto. O primo dele, o agente de segurança, Edson Maciel Gomes, disse que José alegou que os dois tinham pacto de amor. Quem morresse primeiro, buscaria o outro para ficar junto para sempre. O corpo foi encontrado em uma cova na chácara do ex-militar em Campo Grande.

A mãe, Adélia Potronieli, 75 anos, estava muito assustada e emocionada. Tremendo, disse que estava com medo de José, que ainda está foragido. “Nem depois de morta ela tem sossego”. Adélia não acredita na versão de pacto de amor e acha que ele tenha mandado matar Rosilei. Entre indas e vindas, eles tiveram relacionamento de cerca de 20 anos, conforme depoimento do primo de José.

A irmã de Roselei, que não quiser identificada, estava revoltada com a falta de segurança no cemitério. “Não tem cadeado, não tem polícia, não tem guarda, não tem nada lá”.

Grade dos fundos do cemitério está caída e acesso às covas é facil (Foto: Henrique Kawaminami)
Grade dos fundos do cemitério está caída e acesso às covas é facil (Foto: Henrique Kawaminami)

Ela está vindo a Campo Grande para liberar o corpo de Rosilei no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) para que seja transladado e sepultado, na mesma cova, em Dois Irmãos do Buriti. Depois disso, familiares pretendem fazer revezamento para garantir que nada aconteça ao corpo novamente. Adélia tem mais quatro filhos e três filhas que moram em Mato Grosso do Sul.

Familiares também temem pela segurança das filhas de Rosilei, quatro meninas com idade de 9 a 18 anos e que moram em Campo Grande.

Crime – o autor do homicídio, Adailton Couto, foi preso após apresentar-se à polícia. Rosilei foi esfaqueada em um bar em Terenos, após discutir com ele, no dia 9 de fevereiro. Ela chegou a ser levada para Campo Grande, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no domingo (10).

Corpo vai ser enterrado na mesma cova em que Rosilei havia sido sepultada (Foto: Henrique Kawaminami)
Corpo vai ser enterrado na mesma cova em que Rosilei havia sido sepultada (Foto: Henrique Kawaminami)